Tamanho do texto

Magistrado afirma que pedirá a exoneração em janeiro e que se afastará da Operação Lava Jato para evitar quaisquer "controvérsias desnecessárias"

Sergio Moro pediu férias como juiz federal e prometeu que vai pedir sua exoneração do cargo em janeiro de 2019
Sylvio Sirangelo/TRF4 - 10.8.15
Sergio Moro pediu férias como juiz federal e prometeu que vai pedir sua exoneração do cargo em janeiro de 2019

O juiz federal Sergio Moro pediu férias à Corregedoria da Justiça Federal da 4ª Região nesta segunda-feira (5). Isso porque, semana passada, Moro aceitou o convite para ser o futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública de Jair Bolsonaro (PSL). E, agora, o magistrado pediu o seu afastamento para atuar na transição do governo. 

Leia também: Saiba como fica a Lava Jato depois que Moro aceitou convite de Bolsonaro

Moro pediu férias e disse que se afastará da Operação Lava Jato para evitar "controvérsias desnecessárias". Ele afirma que as férias "permitirão que inicie as preparações para a transição de governo e para os planos para o Ministério". O afastamento foi pedido a partir de hoje e dura até o final deste ano. 

Em documento encaminhado ao corregedor regional da Justiça Federal da 4ª Região, Ricardo Teixeira Pereira, Moro informou que pretende tirar todos os períodos de férias a que tem direito antes de assumir o cargo de ministro. 

O magistrado terá férias até o dia 21 de novembro, referente a 17 dias remanescentes do período de 2012/2013 e depois vai entrar com um novo pedido, de 21 de novembro a 19 de dezembro. 

Ele também informou que pedirá a exoneração em janeiro, antes de assumir o convite do presidente. "Pretendo realizar isso no início de janeiro, logo antes da posse no novo cargo", informou. O juiz ainda afirmou ter aceitado o cargo de ministro com "pesar" por ter que abandonar a magistratura. 

Leia também: Bolsonaro exalta Moro e diz que novo ministro "vai à guerra sem medo de morrer"

No documento, Moro também cita a sua substituta, a juíza Gabriela Hardt, que assume os interrogatórios dos réus Carlos Armando Guedes Paschoal, ex-diretor da Odebrecht, e Emyr Diniz Costa Junior, ex-engenheiro e delator da empreiteira, no caso do sítio de Atibaia a partir desta segunda (5). "Ela, profissional muito competente, tem plenas condições de substituir-me na jurisdição", afirmou o juiz. 

A superpasta de Bolsonaro que Moro vai assumir engloba três Ministérios em um só, o Ministério da Justiça, o da Segurança Pública, o da Transparência além da Controladoria-Geral da União e de parte do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), que hoje está sob controle do Ministério da Fazenda. 

Leia também: Lula usa Moro ministro para pedir liberdade no STF e anulação de sentença

Moro pediu férias na manhã desta quinta e, após o pedido, a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), entrou com um recurso no Supremo Tribunal Federal para pedir a liberdade do ex-presidente e a anulação do processo do tríplex. "Necessária concessão da ordem para reconhecer a suspeição do magistrado, declarar a nulidade de todo o processo e restabelecer a liberdade plena do paciente [Lula]", escreveu a defesa. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.