Tamanho do texto

General Augusto Heleno afirmou que o PT aparelhou a máquina pública com seus quadros e que é preciso fazer uma "dedetização". Veja a declaração

General Augusto Heleno, futuro ministro da Defesa do governo Bolsonaro, declarou que é preciso
Agência Brasil
General Augusto Heleno, futuro ministro da Defesa do governo Bolsonaro, declarou que é preciso "desratizar" a máquina pública que foi aparelhada pelo PT

O futuro ministro da Defesa, general Augusto Heleno, afirmou que o futuro governo Bolsonaro terá que "desratizar" a máquina pública que, segundo ele, ainda conta com várias áreas de administração que estão aparelhadas por pessoas indicadas pelo PT e que, portanto, demandariam uma "dedetização".

Leia também: Revogação do estatuto do desarmamento será votada em 2019, diz autor de projeto

Em entrevista à jornalista Julia Dualibi do G1 em que afirmou com ironia ser necessário "desratizar" a máquina pública , o general também disse que a gestão "catastrófica do PT influiu muito negativamente" no governo e que "em alguns casos, vamos ter que chamar a dedetização".

O futuro ministro da Defesa de Bolsonaro disse também que alguns dados que a equipe do presidente eleito dispõe ainda não são confiáveis e que, portanto, os futuros integrantes do governo como ele podem ter surpresas ao tomarem pé da situação em suas pastas, a partir da transição que já começou e teve, nesta segunda-feira (5), um passo importante com a nomeação do deputado Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil, como ministro extraordinário de transição do governo Temer .

O general Augusto Heleno , no entanto, disse que "podem até ser surpresas positivas", ponderou.

Para dar prosseguimento ao processo de transição, Jair Bolsonaro (PSL) viaja amanhã (6), terça-feira, para Brasília. Lá o presidente eleito vai se encontrar com o presidente Michel Temer e com representantes dos poderes judiciário e legislativos, inclusive os colegas de Câmara dos Deputados dos quais Bolsonaro disse estar "com saudades".

Na prática, entre as reuniões oficias, o presidente eleito deve aproveitar os "horários livres" na sua primeira viagem para fora do Rio de Janeiro desde que deixou o Hospital Israelita Albert Einstein e foi para sua casa na Barra da Tijuca, Zona Oeste da capital carioca, para finalizar sua recuperação após o atentado a faca que sofreu ainda durante a campanha no primeiro turno.

Em relação à transição específica do ministério da Defesa, Augusto Heleno espera que o processo seja mais simples do que os ministérios que passarão por uma unificação como é o caso dos Transportes, Aviação Civil e Portos, que devem se tornar o Ministério da Infraestrutura, e da Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio Exterior, que se tornarão o Ministério da Economia, justamente porque demandam uma nova estrutura organizacional.

Leia também: Bolsonaro terá segurança reforçada e "muito mais severa" que a de antecessores

Na mesma entrevista em que falou sobre a necessidade de "destatizar" a máquina pública, o general também foi perguntado sobre a previdência dos militares, assunto que será discutido durante os debates da reforma da Previdência e que já deixa a equipe de transição e do futuro governo Bolsonaro preocupada. Sobre isso, Heleno disse que atuará como "mediador" e que "já existem edutos. Não tem como haver homogeneidade com carreiras que são tão diferentes. Temos de tratar de maneira diferente questões que são diferentes", finalizou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.