Tamanho do texto

Segundo chefe do GSI, presidente eleito terá esquema inédito de segurança a partir da posse, em janeiro; segurança de Trump nos EUA é tida como modelo

Segurança de Bolsonaro deve ter esquema especial a partir da posse do presidente eleito, em janeiro
Tomaz Silva/Agência Brasil - 2.11.18
Segurança de Bolsonaro deve ter esquema especial a partir da posse do presidente eleito, em janeiro

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, pediu estudos de sua equipe para reforçar as estratégias de proteção ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) , e sua família. A ideia é implementar, na segurança de Bolsonaro, esquema inédito no Brasil, com medidas semelhantes às adotadas nos Estados Unidos para Donald Trump.

Em declaração ao jornal O Estado de São Paulo , Etchegoyen afirmou que o aparato para a segurança de Bolsonaro "será muito diferente e muito mais severo do que qualquer outro titular do Planalto já viu ou teve".

A preocupação especial do GSI com a segurança do capitão da reserva do Exército se deve, obviamente, pelo ataque a faca sofrido por ele em Juiz de Fora , em setembro, e também por constantes ameaças já monitoradas tanto pela própria equipe do agora presidente eleito quanto por órgãos oficiais.

Nomeado antecipadamente como ministro da Defesa no governo Bolsonaro, o general Augusto Heleno disse repetidas vezes ao longo da campanha que o então candidato do PSL era alvo de "ameaça de atentado terrorista", chegando a utilizar essa preocupação como justificativa para a ausência de Bolsonaro em debates.

Na semana passada, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Polícia Federal tiveram reunião para definir  estratégia para proteger Bolsonaro ao longo do governo de transição – que vigora até a data de sua posse, em 1º de janeiro.

Segurança de Bolsonaro é reforçada desde ataque em Juiz de Fora

Ataque a faca motivou reforço na segurança de Bolsonaro ainda durante campanha eleitoral
Reprodução
Ataque a faca motivou reforço na segurança de Bolsonaro ainda durante campanha eleitoral

Jair Bolsonaro é acompanhado por uma equipe da PF desde o início da campanha para a Presidência, em agosto, e viu seu aparato de segurança ser ampliado após a facada sofrida no comício de Juiz de Fora.

Os atuais 55 agentes da Polícia Federal que se revezam na escolta de Bolsonaro  serão substituídos, a partir do momento da posse do novo presidente, por servidores do próprio GSI – em boa parte, militares do Exército. Essa troca pode vir a ser antecipada, caso seja identificada necessidade para tanto.

Além do próprio presidente, também têm direito a esquema especial de segurança a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, os cinco filhos do novo chefe do Executivo federal e o vice-presidente, General Mourão.

Leia também: Bolsonaro exalta Moro e diz que novo ministro "vai à guerra sem medo de morrer"

Dentre as medidas a serem repensadas para ampliar a segurança de Bolsonaro estão o fim das entrevistas do novo presidente cercado por jornalistas e o cuidado redobrado no planejamento de viagens. Ainda na semana passada, Bolsonaro e sua equipe reconheceram também que há a possibilidade de o novo presidente quebrar a tradição de desfilar em carro aberto pela Esplanada dos Ministérios durante a cerimônia de posse. As informações são do jornal O Estado de São Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.