Tamanho do texto

Deputado Onyx Lorenzoni, que deve assumir a pasta da Casa Civil em 2019, apresentará dados já coletados em suas reuniões prévias com Eliseu Padilha

Reunião para definir os rumos da transição de governo contará com a presença do presidente eleito Jair Bolsonaro
Divulgação
Reunião para definir os rumos da transição de governo contará com a presença do presidente eleito Jair Bolsonaro

Dois dias depois do segundo turno das eleições 2018, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deve fazer, nesta terça-feira (30), a sua primeira reunião de trabalho com seus aliados mais próximos, a fim de definir os rumos da transição de governo.

Leia também: Transição para novo governo buscará evitar descontinuidade, diz Temer

No encontro, o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que já foi confirmado para a Casa Civil, apresentará os dados coletados durante reuniões em Brasília com o atual ministro-chefe da pasta, Eliseu Padilha, que hoje coordena a equipe de transição de governo Michel Temer.

Tal reunião foi confirmada pelo próprio Lorenzoni. De acordo com ele, a previsão inicial era de que Bolsonaro viajasse para Brasília ainda hoje e que a transição ocorresse na semana que vem. Porém, nesta segunda-feira (29), o presidente eleito disse que irá à capital na próxima semana e que a “primeira pessoa” que pretende encontrar é Temer.

Na reunião de hoje, no Rio de Janeiro, a expectativa é de que participem os integrantes do chamado “núcleo duro”, que são os assessores mais próximos de Bolsonaro. Além de Onyx Lorenzoni , devem estar presentes o general da reserva Augusto Heleno, confirmado para a Defesa, e o economista Paulo Guedes, que deve assumir o Ministério da Fazenda (ou Economia, se houver fusão com outra pasta).

Em entrevista à TV Record , Bolsonaro disse, nesta segunda, que são "estarrecedores" os dados sobre a máquina administrativa federal, sobretudo a respeito do número de funcionários e despesas. Ele reiterou que pretende privatizar ou extinguir algumas empresas, mas que não irá prejudicar os funcionários públicos.

Leia também: Maia declara apoio a Bolsonaro e diz que votará a favor do armamento

Também afirmou que sua intenção é reduzir o número de ministérios. Anteriormente, ele afirmou que gostaria de diminuir de 29 para 15.

Padilha disse conversará amanhã (31) com Onyx, quando espera receber os primeiros nomes da equipe de transição do novo governo. A equipe deve reunir até 50 nomes de pessoas que vão trabalhar em um ambiente organizado exclusivamente para este momento, que é o Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília.

Essas 50 pessoas serão nomeadas para Cargos Especiais de Transição Governamental. Esses cargos poderão ser ocupados a partir desta terça-feira (30) e devem ficar vagos até o dia 10 de janeiro, conforme disposição legal.

A equipe nomeada em caráter especial receberá salários que vão de R$ 2.585,13 a R$ 16.581,49. São oito cargos diferentes, de indicação de Bolsonaro. Vinte e cinco desses indicados receberão R$ 9.926,60 e dez terão salário de R$ 13.036,74. São os dois cargos com o maior número de ocupantes.

O cargo de coordenador é o de maior salário, mas se Onyx Lorenzoni for o indicado, ele não poderá receber a remuneração, uma vez que já recebe como deputado federal e não poderá acumular as duas funções.

Ontem, o futuro presidente Bolsonaro afirmou que a transição transcorrerá “em tranqüilidade” e agradeceu o apoio de Temer neste período. Padilha, por sua vez, disse que Temer pensa da mesma forma.

Leia também: Governadores eleitos redefinem mapa do Brasil; veja quem são e quais os partidos

“A intenção do presidente Michel Temer é fazer uma transição de governo com a maior transparência possível, ofertando todas as informações que estejam disponíveis no governo e sejam solicitadas, para que tenhamos, desde logo, o Brasil andando.”

* Com informações da Agência Brasil.