Tamanho do texto

Candidato do PSB ao governo do estado de São Paulo tomou café da manhã no Palácio dos Bandeirantes; agora ele segue para São Vicente, com a esposa

Márcio França vota em busca de sua reeleição, dado que assumiu o governo paulista após a saída de Geraldo Alckmin
Reprodução/Twitter
Márcio França vota em busca de sua reeleição, dado que assumiu o governo paulista após a saída de Geraldo Alckmin

O candidato ao governo do Estado de São Paulo Márcio França (PSB) votou, pela manhã deste domingo (28), em um colégio estadual na zona sul da capital paulista. Márcio França vota na Escola Estadual Ludovina Credídio Peixoto. 

Leia também: Começa a votação do 2º turno das eleições; 13 estados e DF escolherão governador

Na frente da escola, a movimentação popular era pequena na manhã de hoje. O candidato chegou acompanhado pela sua esposa. Márcio França vota em busca de sua reeleição, dado que assumiu o governo paulista quando o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) deixou o cargo a fim de pleitear o Palácio do Planalto, nas eleições para presidente da República. 

Antes de registrar o seu voto oficialmente nas urnas eletrônicas, o candidato do PSB tomou café da manhã no Palácio dos Bandeirantes. Depois de votar no seu colégio eleitoral, França segue para São Vicente, onde acompanhará o voto da esposa. 

Leia também: "Disputa será voto a voto", assume Doria ao votar em colégio nobre de SP

Mais cedo, o oponente de França, o candidato João Doria (PSDB), registrou o seu voto no Colégio St. Paul's, no bairro dos Jardins, em São Paulo. Acompanhado da senadora eleita Mara Gabrilli (PSDB) e da deputada eleita Joice Hasselmann (PSL), Doria afirmou que o embate do segundo turno em São Paulo está acirrado.

“Estamos tecnicamente empatados, temos vindo assim desde o início do segundo turno. Ninguém tinha dúvidas de que seria uma campanha acirrada”, afirmou. Doria acrescentou que a apuração hoje à noite será emocionante e que a disputa será “voto a voto”.

Ele comentou os resultados das últimas pesquisas, que apontam ligeira subida de seu adversário. “Eu não desqualifico pesquisa, mas a melhor pesquisa é o voto, aquele que vai digitado na urna e que, ao final da eleição, é computado”, disse. “Eu só tive um motivo para entrar para a vida pública: lutar contra as esquerdas, contra o PT, contra aquilo que foi um dano ao nosso país”, argumentou.

Leia também: Mourão quer oposição "construtiva" em eventual governo e fala sobre previdência

Márcio França vota  com uma pneumonia diagnosticada ontem. Segundo ele, se sente bem e está se recuperando. “Eu tive esse quadro que vocês sabem, da pneumonia nos pulmões. Foram dias de muita chuva, a gente pegou chuva. A roupa seca no corpo. Naquele debate já estava com febre. Aí me medicaram com antibióticos. Estou melhor”, ressaltou, enquanto cumprimentava uma série de apoiadores que o aguardavam na frente e no interior da escola. 

* Com informações da Agência Brasil.