Tamanho do texto

Deputado, filho de Jair Bolsonaro, é denunciado por ameaçar jornalista com quem teve relacionamento, mas oficial de Justiça não consegue localizá-lo

STF tenta intimar Eduardo Bolsonaro diariamente, mas não consegue localizar o filho do presidenciável do PSL  há 23 dias
Reprodução/Wikipedia
STF tenta intimar Eduardo Bolsonaro diariamente, mas não consegue localizar o filho do presidenciável do PSL há 23 dias

O Supremo Tribunal Federal (STF) está tentando intimar o deputado federal reeleito, Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidenciável Jair Bolsonaro, há 23 dias. Um oficial de Justiça do STF tenta intimar Eduardo Bolsonaro diariamente em seu gabinete em Brasília, mas não  consegue localizá-lo. As informações são do Estado de S. Paulo . O filho do candidato do PSL à Presidência é denunciado por ameaça a uma jornalista, com quem teve um relacionamento. 

Leia também: PGR denuncia Jair Bolsonaro por racismo e seu filho por ameaças à jornalista

Em abril, Eduardo Bolsonaro foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por ameaçar a jornalista Patricia Lelís. O deputado enviou mensagens a ela no Telegram dizendo que a jornalista "se arrependeria de ter nascido" e que ele iria "acabar com a vida dela".  O STF tenta intimar Eduardo Bolsonaro , o relator do caso é Roberto Barroso.

Segundo Patrícia Lélis , em julho de 2017, depois de uma troca de agressões públicas, Eduardo se dirigiu a ela pelo aplicativo. “Sua otária. Quem você pensa que é? Se falar mais alguma coisa, eu acabo com sua vida”, escreveu. No Telegram, as mensagens são apagadas automaticamente após a leitura, mas a jornalista filmou a conversa. 

“Isso é uma ameaça?”, respondeu. “Entenda como quiser. Depois reclama que apanho [sic]. Você merece mesmo. Abusada. Tinha que ter apanhado mais para aprender a ficar calada. Mais uma palavra e eu acabo com você. Acabo mais ainda com a sua vida”, dizia outro trecho das mensagens do deputado. 

Leia também: Bolsonaro envia carta a Celso de Mello e diz que STF é guardião da Constituição

No mesmo mês, Eduardo Bolsonaro postou um vídeo de oito minutos em suas redes sociais, acusando a jornalista de ser mitomaníaca e inventar histórias envolvendo outras pessoas. De acordo com o Supremo, a chefe de gabinete de Eduardo disse que o oficial de Justiça seria atendido depois do dia 22 de outubro, mas até agora não conseguiu localizá-lo. 

Leia também: PF pode investigar fala de filho de Bolsonaro sobre 'fechar o STF', diz ministro

O STF tenta intimar Eduardo Bolsonaro , que não é localizado em seu gabinete. Porém, registros da Câmara dos Deputados mostram que ele estava presente nas sessões do plenário dos últimos dias 9 e 16 de outubro. Na semana passada, o deputado foi envolvido em outra polêmica por conta de um vídeo em que afirma que "bastaria um soldado e um cabo para fechar o STF".