Tamanho do texto

Eduardo Jorge fez críticas aos partidos de Haddad e Bolsonaro e afirmou que ambos tem 'tendências autoritárias'; Marina declara 'voto crítico' no petista

Eduardo Jorge declara voto nulo no segundo turno, também criticou os partidos de Fernando Haddad e Jair Bolsonaro
Reprodução/Wikipedia
Eduardo Jorge declara voto nulo no segundo turno, também criticou os partidos de Fernando Haddad e Jair Bolsonaro

Vice de Marina Silva (Rede) no primeiro turno das eleições à Presidência da República, Eduardo Jorge declara voto nulo no segundo turno. Nesta quarta-feira (24), ele criticou os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), afirmando que ambos tem tendências autoritárias e disse não acreditar em suas propostas. 

Leia também: 'Eleição de extremos' faz partidos preferirem neutralidade a apoio a PT ou PSL

"Prefiro apostar que teremos capacidade de recuperar a simpatia dos cidadãos mais moderados, mais sensatos que foram capturados pelos dois lados desta detestável polarização. Sim. Votarei nulo, contra o PSL e contra o PT", diz o comunicado em que Eduardo Jorge declara voto nulo  em sua página no Facebook.

O vice de Marina pontuou que, nas eleições de 2010 e 1014, o segundo turno foi entre dois partidos com tendências de esquerda. "Um socialista mais radical e outro socialdemocrata bem moderado. Escolhi votar no segundo pois avaliei virtudes e defeitos de ambos e ele me pareceu menos distante do que eu pensava na época".

Ele ainda disse que, em 2018, esse quadro mudou e as propostas de centro-direita, centro e centro-esquerda foram "esmagadas" pela polarização política e que "tanto o PSL quanto o PT são comandados por núcleos políticos radicais e com tendências autoritárias". 

Leia também: PSOL anuncia apoio a Fernando Haddad no segundo turno das eleições

Eduardo Jorge (PV) fez críticas aos partidos dos dois candidatos à Presidência, afirmando que o PSL de Bolsonaro é um "verdadeiro almanaque de ideias reacionárias" enquanto o PT, partido de Haddad, é "uma indigesta salada de ideias marxistas-leninistas que foram motivo de sofrimentos brutais para países nos século XX e XXI". 

Na terça-feira (22), Marina Silva havia declarado "voto crítico" a Haddad . "Darei um voto crítico e farei oposição democrática a uma pessoa que, 'pelo menos' e ainda bem, não prega a extinção dos direitos dos índios, a discriminação das minorias, a repressão aos movimentos, o aviltamento ainda maior das mulheres, negros e pobres, o fim da base legal e das estruturas da proteção ambiental, que é o professor Fernando Haddad". 

Mesmo assim, Eduardo Jorge declara voto nulo no segundo turno das eleições. "Não. Eu não sou obrigado a escolher um deles. Não acredito nas suas propostas, promessas e malabarismos de última hora. Prefiro optar por minha consciência que tem procurado se orientar pelo valor básico da democracia", completou. 

Leia também: MDB declara neutralidade no 2º turno e aumenta lista de partidos "imparciais"