Tamanho do texto

Candidato do PT reclamou de 'linha dura' das Forças Armadas e disse que instituições demoram a reagir a discurso que 'ameaça' opositores e imprensa

Haddad disse que discurso do adversário é
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 11.10.18
Haddad disse que discurso do adversário é "ameaça contra a democracia"

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, disse nesta segunda-feira (22) que as instituições brasileiras não estão reagindo à "ameaça" contra a democracia feita por seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL). A declaração, dada durante evento com catadores em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, refere-se especialmente à afirmação do candidato sobre “varrer do mapa os bandidos vermelhos do Brasil”.

Leia também: The New York Times compara Bolsonaro a populista "ofensivo, cruel e grosseiro"

Em discurso exibido a apoiadores que participava de ato na Avenida Paulista nesse domingo (21), Bolsonaro disse: “Essa turma, se quiser ficar aqui, vai ter que se colocar sob a lei de todos nós. Ou vão para fora ou vão para a cadeia” disse a seus apoiadores. Haddad declarou que o discurso é um "absurdo" e uma ameaça contra a democracia e à imprensa. 

"Trata-se de uma pessoa perigosa e que não faz questão de esconder que é perigosa. Ontem, o discurso dele transmitido na [Avenida] Paulista é um absurdo. Ele ameaça a sobrevivência física da oposição a ele, ameaça a imprensa, e as instituições demoram a reagir” opinou o petista. 

O candidato também disse que as instituições estão se sentindo ameaçadas pelas Forças Armadas. "O que o Etchegoyen [general do Exército Brasileiro e atual Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência] tem que dar entrevista junto com a Rosa Weber? Qual a autoridade que ele tem no TSE? Ele foi lá colocar uma ameaça tutelar", afirmou. 

Leia também: PT se recusou a assinar documento contra o compartilhamento fake news

Haddad mencionou que está esperando o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) contra a denúncia de caixa dois atribuída a seu adversário, pois considera que o processo é necessário para a defesa do Estado Democrático de Direito e das liberdades individuais. “Se todo mundo sabe que houve fraude no primeiro turno com dinheiro sujo de caixa dois para bombardear as redes sociais com mensagens falsas, o que está se esperando? “ questionou.

O presidenciável falou ainda da afirmação de Eduardo Bolsonaro, eleito deputado federal por São Paulo, de que "bastam um soldado e um cabo para fechar o STF". O candidato do PT fez o alerta sobre os efeitos da fala. "Se ele tem a coragem de ameaçar a democracia antes das eleições, o que ele fará com o apoio dos eleitores?"

Para Haddad, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está coagido pela  ameaça contra a democracia e, por isso, não tem respondido aos problemas enfrentados nas eleições. Durante o evento, Haddad também propôs projetos, defendeu investimentos federais para acabar com os lixões no país e prometeu mudar o sistema atual. 

Leia também: Irã, Venezuela e Hezbollah ameaçam eleição no Brasil?

*Com informações da Agência Brasil