Tamanho do texto

Gustavo Bebbiano diz que estado de saúde do candidato é de 'absoluto desconforto'; médicos autorizaram o candidato a participar dos eventos

Bolsonaro não vai participar de debates, pois não tem obrigação de comparecer aos eventos promovidos por emissoras
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 17.10.18
Bolsonaro não vai participar de debates, pois não tem obrigação de comparecer aos eventos promovidos por emissoras

O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebiano, afirmou durante uma entrevista coletiva nesta quinta-feira (18) que o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro não vai participar de debates com Fernando Haddad (PT), seu adversário no segundo turno.

De acordo com Bebiano, o Bolsonaro não vai participar de debates , pois não tem obrigação de comparecer aos eventos promovidos por emissoras de televisão. "Não vai se submeter a uma situação de alto estresse sem nenhum motivo, porque quem discute com poste é bêbado”, afirmou. Além disso, o presidente do PSL argumentou que a colostomia pode causar desconforto ao candidato .

Mais cedo, o médico Antônio Luiz Macêdo, chefe da equipe que operou Bolsonaro, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, liberou o candidato para os debates. O médico disse que o candidato do PSL poderia participar das discussões, desde que durassem, no máximo, 30 minutos, e ele ficasse confortável, de preferência em uma poltrona. 

Os médicos afirmaram que há pacientes que, com colostomia, como é o caso de Bolsonaro , ficam fragilizadas e que há pacientes que toleram bem antes de ressaltar que a colostomia é recente e que depende de como o candidato vai se sentir ao ficar muito tempo fora do ambiente domicilar para saber a extensão de suas limitações.

Leia também: PT pede que TSE investigue "caixa dois de Bolsonaro"; MP vai apurar o caso

Os médicos explicam que a colostomia é uma procedimento que liga uma parte do intestinto à parede do abdomen para criar um novo trajeto para as fezes e os gases que ficam armazenadas numa bolsa externa. Por fim, a nota emitida pela Hospital Israelita Albert Einstein, explica que após ser submetido à avaliação médica multiprofissional, de exames de imagem e laboratoriais, a colostomia permanece como fator limitante relativo.

Desde que foi agredido, em setembro, Bolsonaro não participou de debates, mas concedeu entrevistas a emissoras de rádio e televisão. Antes do primeiro turno, quando fazia campanha em Juiz de Fora (MG), o candidato foi esfaqueado. Por conta da agressão, ficou três semanas internado, inicialmente na Santa Casa de Juiz de Fora e depois no Einstein.

Leia também: Grupo de Bolsonaro vai processar PT e notificar empresas de suposto 'caixa 2'

Apesar da liberação dos médicos, a própria campanha do presidenciável do PSL, por sua vez, declarou nos últimos dias que  Bolsonaro não vai participar de debates por estratégia. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.