Tamanho do texto

Na reunião com lideranças evangélicas, Haddad se apresentou como líder que não irá impor pontos de vistas pessoais sobre esses temas polêmicos

Em reunião, Fernando Haddad e evangélicos discutiram pautas de segurança pública
Agência Brasil
Em reunião, Fernando Haddad e evangélicos discutiram pautas de segurança pública

Em encontro com líderes evangélicos de vários segmentos, o candidato à Presidência pelo PT, Fernando Haddad, ressaltou sua determinação em federalizar o combate ao crime organizado, reduzir o número de homicídios, garantir a liberdade religiosa e debater temas que chamou de “delicados”, como aborto e drogas. Na reunião entre Haddad e evangélicos, o candidato buscou se apresentar como um líder que não irá impor seus pontos de vistas pessoais sobre esses temas. 

Leia também: Haddad confirma aproximação com Joaquim Barbosa e sugere Cortella para o MEC

Ao lado da mulher, Ana Estela, e da ex-governadora e ex-senadora Benedita da Silva (PT-RJ), Haddad e evangélicos  passaram a manhã em um hotel de São Paulo. Participaram da conversa integrantes das igrejas Luterana, Metodista, Anglicana, Assembleia de Deus, Presbiteriana, Batista e Betesda. O presidenciável destacou que ele e a mulher seguem princípios cristãos e defendeu o Estado laico como forma de garantir a liberdade de culto.

Após o encontro, Haddad defendeu a federalização do combate ao crime organizado e metas para reduzir o número de homicídios no país. “O combate vai ser feito pela Polícia Federal, sobretudo, [contra] as organizações que atuam em âmbito nacional e que estão deixando em situação difícil governadores que estão recebendo essas organizações agora, como é o caso do Nordeste, que está sofrendo o efeito da expansão das organizações do Rio e de São Paulo para o resto do país”, disse.

O candidato defendeu a implantação de um Sistema Único de Segurança Pública, a partir de alterações constitucionais. Segundo ele, há condições de aprovar a proposta. “Há ambiente para aprovar. A Constituição é muito sintética, ela tem um artigo destinado à segurança pública. Nós queremos fazer um capítulo destinado à segurança pública, criando um Sistema Único de Segurança Pública.”

Leia também: FHC cita "porta enferrujada" entre ele e Haddad, e "muro" entre ele e Bolsonaro

O candidato lamentou o elevado o número de mortes no país. “Nós já temos a polícia que mais mata e que mais morre no mundo”, enfatizou.

Haddad rebateu a sugestão do adversário Jair Bolsonaro (PSL) de não processar policiais que reajam e acabem matando durante o serviço. “Essa licença para matar dificilmente vai passar pela Constituição. A Constituição não acolhe esse tipo de procedimento nem o Ministério Público.”

Sobre alianças políticas, Haddad disse que "nunca fez referência específica" ao PSDB quando lançou a proposta da frente democrática. Segundo ele, sua afinidade é com o " velho PSDB ", sobretudo do ex-governador Mario Covas, já falecido.

No encontro, o pastor Ariovaldo Ramos, da Frente Evangélica pelo Estado de Direito, pediu para os líderes presentes que trabalhem para combater a disseminação de informações falsas nas comunidades religiosas.

Leia também: Professor, Haddad quer valorizar profissão; Bolsonaro cita desrespeito na escola

Haddad e evengélicos reclamaram das mentiras nas redes sociais, que atingem o candidato petista e também afetam sua família. “Eu fiquei muito preocupado com a onda de calúnias difamatórias que passaram a frequentar as redes sociais porque isso não vem a público de forma honesta, olho no olho”, disse.

* Com Agência Brasil