Tamanho do texto

Polícia foi acionada até o local e realizou perícia no quarto onde estava Rogério Inácio Villas; ele estava morando há três meses na hospedagem

Adelio Bispo foi autor do ataque a faca contra o presidenciável durante comício realizado no dia 6 do mês passado
Reprodução
Adelio Bispo foi autor do ataque a faca contra o presidenciável durante comício realizado no dia 6 do mês passado

Um homem, de 47 anos, foi encontrado morto na madrugada desta quarta-feira (17) na mesma pensão em que Adelio Bispo de Oliveira , autor do ataque contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL), se hospedou em Juiz de Fora (MG), antes do atentado.

Segundo o boletim de ocorrência, os polícias não identificaram sinais de violência no corpo de Rogério Inácio Villas, que já apresentava rigidez cadavérica. O homem já estava na pensão, que foi usada por Adelio Bispo , há três meses.

De acordo com os familiares, Villas era usuário de drogas e a pouco tempo esteve internado por conta de uma pneumonia. Ele também aparentava ter problemas cardíacos.

Em setembro, duas semanas depois do ataque contra Jair Bolsonaro , a dona da pensão, Aparecida Maria da Costa, morreu. Segundo uma das filhas, ela tinha câncer terminal. A senhora chegou a ser ouvida pela Polícia Federal no âmbito do inquérito que apura o crime contra Jair Bolsonaro.

Inquérito contra Adélio Bispo

Adelio Bispo de Oliveira ficou na mesma pensão de Rogério Inácio Villas antes de cometer o atentado contra Bolsonaro
POLÍCIA MILITAR / DIVULGAÇÃO
Adelio Bispo de Oliveira ficou na mesma pensão de Rogério Inácio Villas antes de cometer o atentado contra Bolsonaro

No início de outubro, o juiz federal Bruno Savino, da 3ª Vara de Juiz de Fora (MG), recebeu denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) e tornou Adelio réu por "atentado pessoal por inconformismo político" contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). 

Adelio foi autor do ataque a faca contra o presidenciável durante comício realizado no dia 6 do mês passado no município mineiro. Bolsonaro foi submetido a duas cirurgias por conta do golpe sofrido no abdômen e ficou internado por 23 dias. Já Adelio foi preso em flagrante e atualmente se encontra em penitenciária federal em Campo Grande (MS).

Ao receber a denúncia, o juiz considerou que o agressor cometeu "grave e inegável lesão ao regime democrático" ao "tentar impedir" que os eleitores identificados com Bolsonaro fizessem valer seus votos. 

"Não há dúvidas de que o atentado pessoal do qual o candidato Jair Bolsonaro foi vítima efetivamente provocou irreparável desequilíbrio no processo eleitoral democrático brasileiro, não somente por afastar das campanhas de rua e debates eleitorais o candidato líder em pesquisas de intenção de voto, mas também por estremecer a garantia do princípio democrático da liberdade de consciência e escolha", escreveu o juiz.

Leia também: "Se depender de mim, mofa na cadeia", diz Bolsonaro sobre autor de ataque

O magistrado destaca ainda que Adelio Bispo disse, logo após ser preso em flagrante, que agiu por "duas motivações": "uma de ordem religiosa e outra de ordem política".  "A respeito dessa última, disse que 'defende a ideologia de esquerda, enquanto o candidato Jair Bolsonaro defende ideologia diametralmente oposta, ou seja, de extrema direita', entendendo que o
candidato defende 'o extermínio de homossexuais, pobres, negros e índios,
situação que discorda radicalmente'", relatou o juiz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.