Tamanho do texto

Candidato do PT abraçou ideia do tucano para a criação de guarda nacional e atendeu a pedido de governadores para prever verba para combate ao crime

Para o segundo turno, Fernando Haddad tem buscado alianças e alterado programa para superar Bolsonaro
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 11.10.18
Para o segundo turno, Fernando Haddad tem buscado alianças e alterado programa para superar Bolsonaro

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad , adotou para si proposta do candidato derrotado Geraldo Alckmin (PSDB) para criação de uma guarda nacional com efetivo permanente para atuar em todo o território nacional. Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo , o petista também decidiu incluir em seu programa de governo medidas para aprimorar o controle das fronteiras para evitar a entrada de armas e drogas no País.

As adaptações no plano de governo de Fernando Haddad atendem a pedidos de governadores de estados do Nordeste, ainda segundo a Folha . Está previsto ainda na seara desses ajustes  a efetivação do Fundo Nacional da Segurança Pública para destinar recursos federais ao combate ao crime.

"Ninguém quer dar mole pra bandido, mas a solução não é armar a população. O caminho é a Polícia Federal assumir o combate ao crime organizado", explicou Haddad por meio de uma rede social. "Todos os estudos mostram que armar a população aumenta a violência", completou.

Leia também: TSE proíbe que Bolsonaro e apoiadores usem 'kit gay' para atacar Haddad

Fernando Haddad muda campanha para o segundo turno

Nova marca da campanha de Fernando Haddad retirou nome de Lula e trocou vermelho por verde e amarelo
Divulgação/PT
Nova marca da campanha de Fernando Haddad retirou nome de Lula e trocou vermelho por verde e amarelo

Correndo atrás na disputa eleitoral contra Jair Bolsonaro (PSL), Haddad vem buscando alianças e mudando sua estratégia neste segundo turno. Nesse sentido, o petista até mesmo mudou o logotipo de sua candidatura, tirando o nome do ex-presidente Lula e substituindo o tradicional vermelho do Partido dos Trabalhadores pelo verde-amarelo. 

"Nós mudamos a marca da campanha as cinco vezes que fomos ao segundo turno. Não é a primeira vez que isso acontece e, em todas, fomos questionados. O segundo turno não é mais a bandeira de um partido, você tem que anunciar a bandeira de um campo, uma frente de aliados que vai somar forças", explicou Haddad em entrevista concedida ao programa "Pânico", da rádio Jovem Pan , nesta quinta-feira (16).

Pouco mais cedo, o candidato disse que, caso vença as eleições, ele pretende mudar toda a atual equipe econômica. O petista enfatizou que essa é uma das diferenças que marcam, no segundo turno, as propostas dele e de seu adversário.

Leia também: Em ato do PT, Cid Gomes chama militantes de "babacas" e prevê derrota de Haddad

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, já fizeram elogios públicos ao atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e o consideraram "excelente nome" para seguir no cargo. Guedes também já elogiou o atual secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, e disse ver com bons olhos a ideia de  aproveitar "extraordinários quadros" do setor público.

“Ao contrário do Bolsonaro, nós decidimos não manter ninguém da equipe econômica do Temer no nosso governo. A partir do dia 1º de janeiro, a equipe do Temer sai e entra uma nova equipe”, ressaltou Fernando Haddad em entrevista coletiva.

*Com informações e reportagem da Agência Brasil