Tamanho do texto

Com 98% de urnas apuradas, filho de presidenciável tem 1,8 mi de votos

Filho de Bolsonaro, Eduardo é o deputado federal mais votado da história
Billy Boss/Câmara dos Deputados - 7.6.2017
Filho de Bolsonaro, Eduardo é o deputado federal mais votado da história

O filho de Bolsonaro, Eduardo (PSL) é o deputado federal mais votado da história do Brasil. O candidato recebeu 1.814.443 votos na disputa eleitoral deste domingo (7), com 98% das urnas apuradas.

Leia também: Jair Bolsonaro e Fernando Haddad se enfrentam no segundo turno para presidente

Com esse número,  o filho de Bolsonaro  superou três campeões de votos em eleições passadas.  Enéas Carneio, do PRONA, que teve 1.573.642 votos em 2002. Logo em seguida vinha Celso Russomanno (PRB), com 1.524.361 votos em 2014, e Tiririca , com 1.353.820. 

Eduardo Bolsonaro viu um crescimento de 2030% na votação em comparação com o pleito de 2014, quando foi o 61º mais votado em São Paulo com apenas 82.224 votos. Formado em direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Eduardo é escrivão da Polícia Federal.

A segunda candidata mais votada em São Paulo também é do PSL: Joyce Hasselmann, com aproximadamente 1 milhão de votos.

Leia também: TRE desmente vídeo que mostra urna sugerir Haddad após eleitor teclar dígito "1"

Filho de Bolsonaro no Senado

Flavio, filho de Bolsonaro, foi eleito deputado estadual pelo RJ
Rafael Wallace/Alerj-RJ
Flavio, filho de Bolsonaro, foi eleito deputado estadual pelo RJ

A disputa para o Senado do Rio de Janeiro traz o candidato Flávio Bolsonaro (PSL) em primeiro lugar com 4.258.181 de votos. Aos 37 anos, o candidato está em seu quarto mandato na Assembleia Legislativa.

Durante a campanha para o Senado, Flávio Bolsonaro prometeu trabalhar pela redução da maioridade penal e pela desburocratização da legislação para facilitar o empreendedorismo e a geração de empregos em larga escala.

Leia mais: Quem é Jair Bolsonaro e quais suas propostas para governar


filho de Bolsonaro  também levantou a bandeira em favor da reforma do Estatuto do Desarmamento. Para o político, o cidadão deve ter o direito à legítima defesa reforçado. Bolsonaro ainda afirmou ser contrário a legalização das drogas e ao debate sobre a ideologia de gênero nas escolas.