Tamanho do texto

Candidato do PT disse que proposta de seu plano de governo sofreu alterações; no documento, coligação diz que "golpe agravou desequilíbrios"

Segundo colocado nas pesquisas de intenções de voto, Fernando Haddad é
Ricardo Stuckert
Segundo colocado nas pesquisas de intenções de voto, Fernando Haddad é "poste de Lula", segundo define Bolsonaro

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, disse nesta sexta-feira (28) que seu eventual governo vai trabalhar para "criar condições" para a convocação de uma Assembleia Constituinte Exclusiva.

Leia também: "Hadad me representa", escreve Lula, errando a grafia do sobrenome do candidato

Durante ato de campanha em Goiânia, Fernando Haddad confirmou que colocará em prática a proposta de alterar a Constituição, conforme prevê seu plano de governo. O candidato, no entanto, disse que o texto sofreu alterações, que não foram detalhadas.

"Isso já foi mediado. Quando o PCdoB passou a integrar a chapa, houve uma alteração no texto para criar as condições da convocação de uma assembleia exclusiva", afirmou Haddad, conforme reportado pelo jornal Folha de S.Paulo .

No plano de governo do petista está escrito que um novo processo constituinte é "necessário" para "assegurar as conquistas da Constituição de 1988, as reformas estruturais e das instituições preconizadas" por sua equipe. "O governo Haddad participará, logo após a posse, da elaboração de um amplo roteiro de debates sobre os grandes temas nacionais e o sobre o formato da Constituinte", diz o texto.

Um dos fatores que justificam a convocação de uma Assembleia Constituinte "livre, democrática, soberana e unicameral", segundo o plano de governo de Haddad, são os reflexos do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

"O golpe aprofundou a crise de representação política e agravou o desequilíbrio no sistema de pesos e contrapesos das instituições republicanas. A refundação democrática implicará em mudanças estruturais do Estado e da sociedade para restabelecer o equilíbrio entre os Poderes da República e assegurar a retomada do desenvolvimento, a garantia de direitos e as
transformações necessárias ao País", aponta o documento.

Leia também: Candidatas a vice atacam Bolsonaro em debate: "É fascistoide", diz Kátia Abreu

Fernando Haddad defende acompanhamento de mulher vítima de violência

Sem Lula, coligação O Povo Feliz de Novo passou a ter chapa formada por Fernando Haddad (PT) e Manuela D'Ávila (PCdoB)
Ricardo Stuckert
Sem Lula, coligação O Povo Feliz de Novo passou a ter chapa formada por Fernando Haddad (PT) e Manuela D'Ávila (PCdoB)

Ainda durante seu comício em Goiânia, Haddad exaltou feitos de quando era ministro da Educação e falou sobre ações de combate e prevenção à violência doméstica contra a mulher.

Nesse ponto, o ex-ministro exaltou a Lei Maria da Penha (sancionada por Lula) e também a estratégia adotada por ele próprio quando prefeito de São Paulo.

Leia também: “Vice não apita nada, mas atrapalha muito”, afirma Bolsonaro sobre Mourão

“Se não houver pró-atividade do estado para acompanhar a mulher que foi pela primeira vez agredida, muitas vezes a violência vai se perder porque ela vai ficar com medo de representar contra o seu companheiro ou contra a pessoa que a está agredindo", disse Fernando Haddad . "Esse acompanhamento é muito importante. No caso de São Paulo foi feito pela guarda civil metropolitana com bons resultados. Nós queremos disseminar essa experiência pelo País."