Tamanho do texto

Presidenciável se irritou com a declaração do general Mourão, depois que o candidato a vice disse publicamente que o 13º salário era uma 'jabuticaba'

Bolsonaro se irritou com a fala do seu vice, general Mourão, sobre o pagamento do 13º salário, garantido em Constituição
Reprodução/ Jovem Pan
Bolsonaro se irritou com a fala do seu vice, general Mourão, sobre o pagamento do 13º salário, garantido em Constituição

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, demonstrou, na tarde desta quinta-feira (27), que sua chapa presidencial possui opiniões contrárias quanto aos direitos trabalhistas garantidos pela Constituição Federal. Isso porque, logo depois que o seu candidato a vice, o general Hamilton Mourão,  criticou o pagamento do 13º salário e do adicional de férias aos trabalhadores, Bolsonaro elogiou o benefício. 

"O 13º salário do trabalhador está previsto no art. 7º da Constituição em capítulo das cláusulas pétreas (Não passível de ser suprimido sequer por Proposta de Emenda à Constituição)", escreveu Bolsonaro hoje em uma publicação no seu Twitter. "Criticá-lo, além de ser ofensa a quem trabalha, confessa desconhecer a Constituição", acrescentou.

A mensagem de Bolsonaro é uma crítica a Mourão, um posicionamento claro do candidato presidenciável sobre o assunto e também uma orientação a seus aliados, para que se declarem a favor das garantias trabalhistas. A polêmica fala de Mourão veio à tona no fim da manhã desta quinta-feira. 

Mourão disse que o 13º salário é uma 'invenção brasileira'

General Mourão, vice de Bolsonaro, afirmou que tanto o 13º salário quanto o adicional de férias são 'invenções brasileiras'
Divulgação/Exército Brasileiro - 7.7.14
General Mourão, vice de Bolsonaro, afirmou que tanto o 13º salário quanto o adicional de férias são 'invenções brasileiras'

As declarações do candidato a vice foram dadas ontem durante uma palestra na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. Na ocasião, Mourão afirmou que o 13º salário e o pagamento extra no período de férias são 'coisas que só acontecem no Brasil'. Para tanto, ele comparou tais pagamentos garantidos pelos direitos trabalhistas de "jabuticabas".

Leia também: Para vice de Bolsonaro, casa só com ‘mãe e avó’ é ‘fábrica de desajustados’

"Se a gente arrecada 12 (meses), como é que pagamos 13? É complicado. O Brasil é o único lugar onde a pessoa entra em férias e ganha mais", afirmou. "São coisas nossas, a legislação que está aí. A visão dita social com o chapéu dos outros e não do governo", disse o general.

Em seu discurso, Mourão ainda classificou o 13º como "uma mochila nas costas do empresário brasileiro" e afirmou que é necessária uma "implementação séria" da reforma trabalhista. 

Leia também: Bolsonaro rebate o próprio vice para tentar reaproximação com público feminino

Segundo fontes próximas do candidato do PSL, nas primeiras conversas a respeito do episódio sobre o 13º salário , Bolsonaro voltou a defender que Mourão não se pronuncie e nem vá a eventos públicos durante o período de campanha. Na semana passada, o candidato a vice já havia sido orientado a suspender sua agenda por conta de uma série de declarações.