Manuela D’Ávila foi lançada como candidata a vice-presidente pelo PT nesta terça-feira (11)
Reprodução/Instagram Manuela D'Ávila
Manuela D’Ávila foi lançada como candidata a vice-presidente pelo PT nesta terça-feira (11)

Manuela Pinto Vieira D’Ávila foi lançada como candidata a vice-presidente junto de Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), nesta terça-feira (11). Filiada ao PCdoB, Manuela D'Ávila nasceu em Porto Alegre, tem 36 anos, é filha de juíza e de engenheiro, e mãe de uma menina de três anos.

Formada em jornalismo pela PUC-RS, Manuela D’Ávila também cursou Ciências Sociais na UFRGS, mas não chegou a concluir essa graduação. Envolvida na política desde a década de 1990, quando participava ativamente do movimento estudantil, foi membro da União da Juventude Socialista (UJS) – braço do PCdoB, partido ao qual é filiada desde 2001. Ainda naquela época, foi integrante na direção nacional da UJS e vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Com apenas 23 anos, foi eleita vereadora de Porto Alegre, em 2004. Dois anos depois, venceu as eleições para a Câmara dos Deputados, sendo a candidata mais votada no Rio Grande do Sul para o cargo. Em 2010, foi reeleita deputada federal, quando relatou o Estatuto da Juventude, lei que garante direitos aos jovens do País. 

Também no Congresso, foi relatora da Lei dos Estágios, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias e vice-presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público. Fez parte também da Frente Parlamentar do Esporte, da Frente Parlamentar em Defesa da Liberdade na Internet e da Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT.

Manuela se destaca pela defesa de políticas públicas para as minorias. Defensora do feminismo e da política para mulheres , a candidata chamou a atenção ao levar sua filha, Laura Leindecker, a sessões da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Em 2014, foi eleita deputada estadual – com recorde de votos. Dois anos depois, uma foto da deputada amamentando a filha repercutiu em todo o mundo – o que a fez vir a público para chamar a atenção sobre a política “machista e masculina”.

Leia também: Dilma, Ciro e Boulos criticam tratamento a Manuela D´Ávila no Roda Viva

Na época, ela chegou a publicar um texto em sua página do Facebook em que refletia os “porquês” de a foto ter repercutido tanto, defendendo: “Um ambiente que não é amigo das mulheres e crianças não tem como ser amigo do povo”.

Você viu?




Também no ano de 2016, foi apontada como uma das preferidas na disputa pela Prefeitura de Porto Alegre, mas desistiu de tentar a vaga para cuidar de sua filha recém-nascida.

Manuela D’Ávila, a candidata em 2018

Manuela D'Ávila (PCdoB) é candidata a vice-presidente ao lado de Fernando Haddad (PT) a partir desta terça-feira
Reprodução/Instagram Manuela D'Ávila
Manuela D'Ávila (PCdoB) é candidata a vice-presidente ao lado de Fernando Haddad (PT) a partir desta terça-feira

No dia 1º de agosto de 2018, a ex-deputada e ex-vereadora foi confirmada candidata à Presidência da República pelo PCdoB . Depois de ter a candidatura lançada com apoio unânime dos delegados do partido, ela apresentou bandeiras como a da reforma da segurança pública, a justiça tributária, o combate às grandes corporações e a revogação da reforma trabalhista, além da emenda constitucional que estabeleceu um teto para os gastos públicos por 20 anos.

Durante a curta campanha como candidata à Presidência, Manuela também criticou o “desemprego recorde”, a queda da massa salarial e a evasão de jovens de universidades e escolas técnicas.  

Apesar de ter a chapa registrada no Tribunal Superior Eleitoral, após o apoio de seu partido a Lula, Manuela D'Ávila desistiu da candidatura própria e passou a apoiar o PT. Agora, foi lançada candidata a vice-presidente pelo partido ao  lado de Fernando Haddad.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários