Autor de facada em Jair Bolsonaro,  Adelio Bispo de Oliveira teve audiência de custódia nesta sexta-feira
Tânia Rêgo/Agência Brasil - 7.9.18
Autor de facada em Jair Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira teve audiência de custódia nesta sexta-feira

Os advogados que representam o agressor Adelio Bispo de Oliveira sustentam que a agressão de seu cliente ao candidato Jair Bolsonaro foi um ato solitário, movido pelo que classificaram de “discurso de ódio” do próprio candidato.

Leia também: Homem que esfaqueou Bolsonaro é defensor de teorias da conspiração

Quatro advogados acompanharam Adelio na audiência de instrução com a juíza Patrícia Alencar, na Justiça Federal, na tarde desta sexta-feira (7), que determinou a transferência do criminoso para um presídio federal.

“Esse discurso de ódio de Bolsonaro é que desencadeou essa atitude extremada do nosso cliente”, disse o advogado Zanone Manoel de Oliveira Júnior. Um dos motivos, segundo a defesa, foi a referência pejorativa aos negros quilombolas, já que seu cliente se identifica como negro.

O advogado informou que a defesa concordou com a transferência do cliente para um presídio federal, para garantir sua integridade. O advogado também disse concordar com o indiciamento de seu cliente pelo Artigo 20 da Lei de Segurança Nacional, que fala em “praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político”. Ele disse ainda que vai requerer exame de sanidade mental em seu cliente.

Você viu?

Leia também: Esfaqueador de Bolsonaro “não era normal”, diz familiar de agressor

O autor da facada é esperado, ainda nesta sexta (7), para prestar depoimento à Polícia Federal em Juiz de Fora.

Mais cedo, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, informou que a Polícia Federal investiga outros dois suspeitos por envolvimento com o ataque contra o presidenciável.

Jungmann explicou que as informações disponíveis até o momento dão conta de que Bispo teria agido sozinho como um "lobo solitário". Ainda assim, outras duas pessoas que não tiveram a identidade divulgada são investigadas. Uma delas chegou a ser detida ainda na noite dessa quinta-feira (6), foi interrogada e posteriormente liberada pelos policiais.

"Pelo o que nós temos de informação até agora, o fato está concentrado naquele que cometeu o atentado [ Adelio ]. Existem outros que estariam envolvidos, mas que até agora não se tem uma comprovação fática, embora eles permaneçam como investigados. Um deles prestou depoimento e foi liberado. O outro ficou ferido durante o processo e está também hospitalizado", informou o ministro. 

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Michel Temer classifica como "intolerável" episódio contra Jair Bolsonaro

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários