Tamanho do texto

Houve "tentativa de me igualar a políticos sob investigações gravíssimas", reclamou presidente do PDT, pivô de discussão entre Ciro Gomes e Bonner

Ciro Gomes disse no Jornal Nacional que Carlos Lupi (dir.) terá cargo em seu eventual governo
Divulgação/PDT - 22.8.17
Ciro Gomes disse no Jornal Nacional que Carlos Lupi (dir.) terá cargo em seu eventual governo

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, rebateu informação divulgada pelo Jornal Nacional (TV Globo) durante entrevista com o candidato do partido à Presidência, Ciro Gomes , na noite dessa segunda-feira (27).

O ex-ministro do Trabalho foi pivô de impasse entre Ciro e o jornalista William Bonner, que conduzia a entrevista junto a Renata Vasconcellos e questionou a "coerência" do candidato ao defender uma gestão intransigente com a corrupção e ao mesmo tempo reservar um posto para Carlos Lupi , que é réu em ação civil pública que tramita na 6ª Vara Federal de Brasília.

Ciro disse ao vivo que o presidente nacional do PDT não é réu e que ele "é um homem de bem" e detém sua confiança "absolutamente cega".

A ação civil de improbidade administrativa contra Lupi foi movida pelo Ministério Público Federal do DF em 2012 e trata do uso de um avião locado por Adair Meira, presidente da ONG Centro de Estudos e Promoção Social (Cepros), em 2009. De acordo com a denúncia, ao viajar por cidades do Maranhão em aeronave paga por Meira, o então ministro do Trabalho e sua comitiva receberam vantagem indevida uma vez que Adair tinha o "propósito de beneficiar suas empresas em contratos mantidos" com a pasta.

Por meio de sua conta no Facebook, Lupi alegou que a ação movida contra ele pela Procuradoria trata-se de um processo que visa somente "apurar se seria necessário ressarcimento aos cofres públicos caso houvesse ocorrido improbidade administrativa".

O presidente nacional do PDT também criticou o Jornal Nacional por ter "apenas jogado a informação sem nenhum compromisso em contextualizar a notícia".

"Eu mesmo entrei com uma ação no Ministério da Justiça para a devida apuração dos fatos. Após exaustiva apuração, sequer foi instaurado inquérito criminal contra mim. Em 2012, o MPF moveu uma ação civil pública para apurar se seria necessário ressarcimento aos cofres públicos caso houvesse ocorrido improbidade administrativa. Não seria o caso de ressarcimento, pois não foi gerada nenhuma despesa. Mesmo cumprindo agenda oficial, não utilizei o avião da FAB, o que geraria custos", escreveu Lupi. 

"Reforço que sou ficha limpa e não aceitarei que meu nome seja citado sem o devido esclarecimento, na tentativa de me igualar a políticos sob investigações gravíssimas de corrupção e com o claro objetivo de prejudicar a candidatura do combativo Ciro Gomes à Presidência do Brasil", finalizou Lupi.

Leia também: Primeira Turma do STF decide hoje se torna Bolsonaro réu por crime de racismo

Carlos Lupi figura em outras investigações

Carlos Lupi divulgou certidão emitida pela Justiça do Rio indicando não haver processos contra ele
Reprodução/Facebook/Carlos Lupi
Carlos Lupi divulgou certidão emitida pela Justiça do Rio indicando não haver processos contra ele

Além desse processo na Justiça Federal em Brasília, o ex-ministro também figura como investigado em inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) que apura suposto pagamento de propina no âmbito da campanha da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2014. Esse inquérito ainda não foi concluído e, desse modo, não houve oferecimento de denúncia.

Leia também: Promotoria acusa Fernando Haddad de enriquecimento ilícito

Carlos Lupi também já foi acusado por um dos delatores da Odebrecht de ter recebido R$ 300 mil da construtora via caixa dois em 2014. "Os valores foram negociados enquanto os referidos beneficiários ocupavam cargos públicos e dentro do contexto de apoio do PDT aos interesses do grupo empresarial", reportou o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot em manifestação encaminhada ao STF no ano passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.