Tamanho do texto

Acusações contra Lula no TRF-4 levaram 42 dias para serem lidas e julgadas; já recursos de petista contra a sentença levaram 42 dias apenas para aparecer em sistema eletrônico do Ministério Público

O ex-presidente Lula escreveu um artigo no Le Monde em que denuncia 'retrocessos democráticos' no Brasil
Reprodução/Le Monde
O ex-presidente Lula escreveu um artigo no Le Monde em que denuncia 'retrocessos democráticos' no Brasil

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) questiona, no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), os ritmos distintos com que o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª região, a segunda instância da Lava Jato em Curitiba), apreciou as acusações contra o líder petista e, agora, os recursos, contra a sentença.

Leia também: Datafolha: Lula tem 30% das intenções de voto, Bolsonaro 17% e Marina 10%

Ao todo, o TRF-4 levou 42 dias para apreciar a condenação proferida pelo juiz Sergio Moro contra Lula – o relator do processo precisou de 36 dias para analisar o texto, e o parecerista levou somente 6 dias para concluir sua revisão.

Já os recursos apresentados pela defesa do ex-presidente Lula contra a condenação levaram também 42 dias apenas para aparecerem no sistema eletrônico do Ministério Público.

Não há previsão para quando eles serão julgados no tribunal. Até lá, o líder petista seguirá preso em Curitiba. Para os advogados, a diferença de tratamento aponta para a seletividade dos juízes e para a sanha condenatória contra Lula, numa suposta tentativa de afastá-lo das eleições de outubro.

Leia também: PT lança candidatura de Lula à presidência, que escreve manifesto

Lula recusou acordo

No ato de lançamento da candidatura de Lula à presidência da República em Contagem, Minas Gerais, Fernando Haddad, o coordenador do programa de governo do PT , disse que o ex-presidente foi sondado sobre um possível acordo: ele deixaria a prisão caso aceitasse não concorrer nas eleições de 2018.

“Acenaram para o Lula com um acordo”, contou Haddad, “abre mão de sua candidatura que você sai da cadeia, que a gente liberta você”.

Lula, narrou Haddad, disse não, e acrescentou: “me apresentem uma prova [de que ele agiu de forma corrupta] que eu abro mão da minha candidatura”.

Haddad , que tem sido apontado em pesquisas eleitorais como possível substituto de Lula caso o ex-presidente tenha sua candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral, não apresentou mais detalhes sobre o suposto acordo.

Leia também: PT lança peça de campanha de Lula: “chama o homem que dá jeito”

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.