Tamanho do texto

Em carta ao diretório petista, ex-presidente Lula diz querer sua liberdade e avalia que 2018 será “muito importante para a democracia”

Acampamento em apoio ao ex-presidente Lula próximo à sede da PF em Curitiba. onde o petista está preso
Ricardo Stuckert - 12.4.18
Acampamento em apoio ao ex-presidente Lula próximo à sede da PF em Curitiba. onde o petista está preso

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do Partido dos Trabalhadores ( PT ), leu nesta segunda-feira (23) um carta escrita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva direcionada ao diretório do partido.

Leia também: PGR pede acesso a material apreendido pela PF junto a amigos de Temer

Lula se disse feliz com os resultados das pesquisas eleitorais divulgadas recentemente, na qual figura como líder nos cenários em que sua candidatura foi mencionada, atingindo o dobro da preferência do segundo colocado, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL).

O ex-presidente também ressaltou a importância de 2018, tanto para os partidos progressistas quanto para a democracia como um todo. Ele ainda reafirmou sua inocência e disse querer a liberdade.

“2018 é muito importante para o PT, para a esquerda e para a democracia. Para mim, eu quero a minha liberdade. Há insinuações de que se eu não for candidato, se eu não tiver holofotes, se eu não falar contra a [minha] condenação, será mais fácil a votação em meu favor [no STF]. A Suprema Corte não tem que me absolver porque eu sou candidato, porque vou ficar bonzinho. Ela tem que votar porque sou inocente, e também para retomar o papel Constitucional que é ser garantia do comportamento da Constituição”, escreveu Lula.

Leia também: Advogado quer barrar quadro de R$ 85 mil de José Serra encomendado pelo governo

“Fiquei feliz com a pesquisa [eleitoral] e preciso discutir com os nossos como reforçar a ideia da [falta de] provas [em sua condenação penal]. A luta continua, até a vitória final”, completou o ex-presidente.

PT cresce após condenação

Lula está preso na sede da Polícia Federal de Curitiba há 15 dias, e, desde então, o PT recebeu 3.320 filiações – um terço de todos que se filiaram ao partido desde o início do ano.

Cientes de que a prisão de seu principal líder reascendeu a militância, o PT lançará nos próximos dias a campanha “Sou Lula , sou PT ”, buscando ampliar as filiações. A campanha terá início em Curitiba, no acampamento próximo ao prédio em que o presidente foi detido. A ex-presidente Dilma Rousseff participará do ato inaugural.

Leia também: Gilmar Mendes nega pedido de liberdade para suposto operador do PSDB

    Leia tudo sobre: lula