Tamanho do texto

Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores, criticou pedido de governadora Suely Campos, que quer o fechamento das fronteiras com a Venezuela; Temer diz que ideia de governadora é “incogitável”

Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores, rechaçou ideia de fechar as fronteiras de Roraima
Gerdan Wesley
Aloysio Nunes, ministro das Relações Exteriores, rechaçou ideia de fechar as fronteiras de Roraima

Aloysio Nunes (PSDB), ministro das Relações Exteriores , rechaçou a ideia da governadora Suely Campos (PP), de Roraima , que pediu ao Supremo Tribunal Federal o fechamento da fronteira do estado com a Venezuela . A governadora vê na medida a única forma de lidar com o grande fluxo de venezuelanos que têm imigrado para o Brasil fugindo da crise econômica no país.

Leia também: Governo de Roraima recorre ao STF para barrar entrada de venezuelanos

“Esta é uma ideia... tenha santa paciência”, resumiu o ministro. A informação é do jornal Folha de S.Paulo .

Na avaliação do ministro, o governo tem feito o que está ao seu alcance para lidar com a crise no estado.

“O governo federal está fazendo muito, ajudando tanto o governo do estado quanto as prefeituras, nós temos colaborado com a sociedade civil, o Acnur, agência da ONU para refugiados”, explicou Nunes.

Michel Temer (MDB) também comentou sobre o pedido da governadora. Para o emedebista, o fechamento das fronteiras é “incogitável”.

Leia também: Promotor que acusará Alckmin foi assessor de ex-secretário do tucano

O Governo de Roraima ingressou com a ação nesta sexta-feira (13) no STF cobrando ajuda do governo federal para lidar com a entrada de venezuelanos no território do estado.

A ação, que será relatada no Supremo pela ministra Rosa Weber, pede o fechamento temporário da fronteira do Brasil com a Venezuela até que "se resolvam os problemas" decorrentes da chegada dos imigrantes.

Bolsonaro propõem campo de refugiados no estado

Para o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), a solução para a questão dos muitos venezuelanos que tem chegado ao Brasil fugindo da crise econômica na Venezuela passa por revogar a lei de imigração e construir um campo de refugiados em Roraima .

“A elite foi a primeira a sair da Venezuela . Essa foi para Miami. A parte mais intermediária, grande parte foi para o Chile. E agora os mais pobres estão vindo para o Brasil. Nós já temos problemas demais aqui”, opinou o militar reformado ao jornal O Estado de São Paulo .

Leia também: Em meio a crise, Rússia acusa Reino Unido de 'manipular' ataque químico à Síria