undefined
Nelson Jr./ SCO/ STF/ Fotos Públicas
joaquim barbosa

Joaquim Barbosa , ex-ministro do STF , formalizou sua filiação ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) nesta sexta-feira (6). A oficialização aconteceu um dia antes da data limite para os que pretendem disputar as eleições para a presidência da república.

De acordo com o jornal O Globo, a legenda já considera internamente que o ex-juiz do STF será o nome do PSB para disputar o Planalto. Durante a negociação, Barbosa exigiu garantias do partido que seria lançado como candidato. Outra exigência do ex-ministro do STF foi que sua filiação à legenda ocorresse de maneira discreta, sem discursos políticos e festas.

Leia também: ‘Somos os 99% da população’, diz vereadora mais votada de BH

Barbosa e dirigentes da legenda estavam em contato há meses, mas havia resistência tanto por parte do ex-ministro em se filiar quanto de quadros internos do PSB que não queriam apostar em uma candidatura própria.

Presidente do STF entre 2012 e 2014, quando se aposentou, Barbosa ganhou bastante notoriedade pública por sua atuação nos julgamentos do mensalão e do mensalão tucano.

PSB desembarca

Apoiador do impeachment de Dilma Rousseff (PT) e tendo votado junto do governo Temer em alguns momentos cruciais, como na PEC do teto dos gastos e na reforma trabalhista, o partido resolveu se distanciar das legendas de direita e centro e voltar às suas origens esquerdistas tendo em vista as eleições de outubro.

Leia também: Bolsonaro diz querer ver Alexandre Frota como ministro da Cultura

Em sua convenção nacional realizada no início do mês, o diretório do PSB deu o passo final em sua estratégia de se descolar do governo.

Sem apontar nomes, o partido deixou em aberto três possibilidades: ou terá candidato próprio à presidência; ou, no caso de não atrair um nome de peso, não apoiará ninguém; ou, ainda, poderá se aliar a algum candidato que seja contrário às privatizações e às reformas liberais de Temer.

Trocando em miúdos, isso significa que a pretensão do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), de contar com o apoio – e o palanque, os minutos de TV e a estrutura partidária – do PSB será frustrada.

Antes da decisão de Joaquim Barbosa de se filiar ao partido, comentava-se que o PSB poderia apoiar Lula nas eleições. Tendo em conta que o ex-presidente petista provavelmente será impedido de concorrer pela justiça eleitoral, o partido abriu a possibilidade de apoiar Ciro Gomes (PDT) no pleito.

Com a filiação de Barbosa , contudo, o mais provável é que o PSB parta mesmo para uma candidatura própria.

Leia também: Após dizer que PT 'colhe o que planta', Alckmin condena ataque a ônibus de Lula

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários