Tamanho do texto

Segundo o presidente, empresários chineses mostraram 'grande entusiasmo com a economia brasileira'; Temer ainda comemorou queda no desemprego

Michel Temer teve encontro com o presidente da China, Xi Jinping, em Pequim, nesta sexta-feira
Divulgação/Palácio do Planalto
Michel Temer teve encontro com o presidente da China, Xi Jinping, em Pequim, nesta sexta-feira

Em seu segundo dia de visita oficial à China, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), se encontrou com o presidente Xi Jinping, no Grande Palácio do Povo, em Pequim, nesta sexta-feira (1º). 

Leia também: Em busca de interessados em concessões, Temer vai à reunião do Brics na China

De acordo com a assessoria do Palácio do Planalto, Temer e Xi Jinping assinaram 14 acordos nesta sexta-feira. Todos, de acordo com o governo, devem gerar investimentos e negócios no Brasil. O setor privado assinou oito atos. 

Temer está na China para participar da 9ª Cúpula do Brics – bloco econômico que reúne o Brasil, a Rússia, Índia, China e África do Sul – e também para participar de reuniões com grandes empresários chineses.

A intenção do presidente é de oferecer o pacote de concessões e privatizações de aeroportos, portos, rodovias e linhas de transmissão, lançado na semana passada pelo governo, que inclui a venda de parte da Eletrobras. O país asiático é o principal parceiro comercial do Brasil.

“Os empresários anunciaram novos investimos no Brasil. Ou seja, há grande entusiasmo com a economia brasileira. De um lado, o combate ao desemprego. De outro lado, as aplicações vultosas de todos os empresários estrangeiros que querem investir no Brasil, portanto, dando sequência ao combate ao desemprego que tem sido o norte, o caminho, o objetivo do nosso governo”, afirmou o peemedebista.

Queda no desemprego

Em vídeo publicado no Twitter, o presidente disse, ainda nesta sexta, que a queda no desemprego, divulgada nesta quinta (31), é “uma boa notícia”.

Leia também: Temer faz reunião ministerial no Palácio do Planalto antes de viajar à China

Influenciada pelo aumento da informalidade no mercado de trabalho, a taxa de desemprego no país caiu 0,8 ponto percentual, em relação ao trimestre encerrado em abril, e fechou o período maio a julho deste ano em 12,8%.

Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que indica ainda que o país tem 13,3 milhões de desempregados,

No trimestre imediatamente anterior, encerrado em abril, a taxa de desemprego havia sido de 13,6%. Na comparação com o mesmo trimestre móvel do ano anterior, houve alta de 1,2 ponto percentual na desocupação.

Os dados representam queda de 5,1% no desemprego frente ao trimestre anterior (menos 721 mil pessoas). Mas, em relação ao mesmo trimestre de 2016, o desemprego cresceu 12,5% (mais 1,5 milhão de pessoas).

“Uma das boas notícias diz respeito ao desemprego. Há grande preocupação dos trabalhadores brasileiros com o desemprego no nosso país. Mas, nesses 90 dias, conseguimos 720 mil vagas. Portanto, diminuiu o desemprego em 720 mil vagas”, afirmou o presidente , em sua conta na rede social, logo após o encontro com Xi Jinping.

Leia também: Para 55,6% da população, PSDB deve deixar base de apoio ao governo Temer

* Com informações da Agência Brasil.