Tamanho do texto

Dilma e Carlos se conheceram em 1969, casaram e tiveram uma filha juntos

Ex-presidente Dilma Rousseff participa do velório de seu ex-marido, o ex-deputado e ativista Carlos Araújo
Caco Argemi/ALRS
Ex-presidente Dilma Rousseff participa do velório de seu ex-marido, o ex-deputado e ativista Carlos Araújo

A ex-presidente Dilma Rousseff compartilhou neste domingo (13) uma homenagem ao ex-marido e ex-deputado Carlos Araújo , que faleceu na madrugada de sábado (12) em Porto Alegre . No texto, Dilma afirma que Carlos foi um “bravo lutador”, e que ela perdeu “um parceiro de uma vida”.

Dilma e Carlos se conheceram em 1969, um período em que ambos lutavam contra o regime militar. Juntos, foram presos e torturados por militares. Quando foram libertados, voltaram para Porto Alegre, cidade natal de ambos, no Rio Grande do Sul, e lá tiveram a única filha do casal, Ana Paula. Apesar do término do casamento, os dois mantiveram amizade.

“Foi um bravo lutador no enfrentamento da ditadura militar, que não conseguiu destruir nem sua força vital, nem seu caráter, nem sua coragem. Foi um bravo lutador no esforço pela reconstrução do trabalhismo no Brasil, missão à qual ele e muitos companheiros se dedicaram. Carlos Araújo amou a vida, e lutou por ela, tanto quanto lutou por uma vida melhor para todos”, escreveu a ex-presidente.

Leia a homenagem na íntegra:

“Perdi hoje um parceiro de uma vida.

Carlos Araújo foi um bravo lutador.

Foi um bravo lutador no enfrentamento da ditadura militar, que não conseguiu destruir nem sua força vital, nem seu caráter, nem sua coragem.

Foi um bravo lutador no esforço pela reconstrução do trabalhismo no Brasil, missão à qual ele e muitos companheiros se dedicaram.

Carlos Araújo amou a vida, e lutou por ela, tanto quanto lutou por uma vida melhor para todos.

Morreu ontem, mas viverá para sempre: em sua família, em sua companheira Ana, em seus filhos Leandro e Rodrigo, em nossa filha, Paula, em nossos netos, Gabriel e Guilherme, nos muitos amigos que fez e nos muitos admiradores que conquistou.

Leia também: Temer não participa de discussões sobre reforma política, diz Planalto

Viverá nas nossas fortes lembranças do esforço comum pela sobrevivência, das lutas que travamos lado a lado, dos sacrifícios e das dificuldades pelas quais passamos, e também das conquistas que alcançamos juntos.

Aprendi com ele. E agradeço a oportunidade de tê-lo conhecido e de ter convivido tantos anos com um ser humano tão generoso, afetuoso e correto.

O mundo nos impôs desafios que  tivemos de vencer. Enfrentamos percalços que poderiam ter nos destruído. Mas vencemos muitas dessas dificuldades, uma a uma.

Em qualquer circunstância, sempre pude contar com ele, com sua inteligência, com sua capacidade e com sua força.

Vai fazer falta aos nossos netos, fará falta à nossa filha, fará falta a todos que o amam e que o amaram, e fará muita falta a mim.

E é para honrá-lo e prestar-lhe tributo que continuarei lutando por um mundo melhor, por um Brasil mais justo e pela emancipação do povo do meu país. Exaltarei sempre a sua coragem, enaltecerei sempre a sua bravura e a grandeza com que lutou sempre por seus ideais. Não cedeu, não se deixou vergar. Partiu, ontem, como viveu toda uma vida: digno, altivo, sereno, amoroso, amigo e parceiro.

Carlos Araújo viveu visceralmente e brilhou intensamente.

Agradeço por sua existência e por ter feito parte da minha vida. Carlos encantou a todos os que tiveram o privilégio de  conhece-lo.”

Leia também: Rodrigo Maia critica criação de fundo para financiar eleições

Falecimento

Carlos Araújo, que tinha 79 anos, estava internado desde o dia 25 de julho no Hospital São Francisco, da Santa Cada de Misericórdia de Porto Alegre.  Segundo informou a Assembleia Legislativa do Estado, o ex-deputado e ativista estava internado na Unidade de Terapia Intensiva por complicações de doença pulmonar obstrutiva crônica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.