Milicianos executaram vítimas e atearam fogo no carro
Reprodução
Milicianos executaram vítimas e atearam fogo no carro

A Polícia Civil investiga três execuções com participação de  milicianos que tiraram a vida de cinco pessoas, em apenas dez dias, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio. Dois dos assassinatos aconteceram com um intervalo de menos de 48 horas. Já num terceiro caso, duas vítimas foram emboscadas e tiveram o carro em que estavam atingido por mais de cem disparos.

As últimas mortes da série de crimes praticados por bandos rivais de  milicianos aconteceram no domingo (27) e na madrugada desta terça-feira, dia 1º de março.

No fim da tarde de domingo, pouco depois das 17h, Marcos Torres Gaspar foi assassinado por três paramilitares armados com fuzis, dentro de um bar, em uma rua do Bairro Urucânia, em Santa Cruz. Sem envolvimento com crimes, ele teria sido confundido por homens da milícia de Danilo Dias Lima, o Danilo Tandera, com um integrante do bando rival. Já na madrugada desta terça-feira, por volta das 4h, paramilitares da milícia chefiada por Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, teriam interceptado a tiros de fuzil um veículo ocupado supostamente por dois homens do bando de Tandera.

O automóvel perdeu a direção e se chocou com uma mureta, na Avenida Cesário de Melo, a 200 metros de distância da Estação Cesarão III do BRT. Em seguida, os criminosos atearam fogo no veículo com as vítimas ainda no seu interior. Uma equipe do 27ºBPM (Santa Cruz) foi alertada por moradores que tiros haviam sido disparados e encontrou os corpos carbonizados das duas vítimas no veículo.

Bombeiros também foram acionados para controlar o fogo. Ao lado do automóvel, que estava perfurado e foi atingido por pelo menos seis tiros, os policiais encontraram cápsulas deflagradas de fuzil. Os dois casos estão sendo investigados pela Delegacia de Homicídios da Capital (DHC). No duplo homicídio, os investigadores da DHC ainda tentam identificar os dois mortos.

Em menos de 15 dias, esta é a terceira execução envolvendo  milicianos na Região. No dia 19 de fevereiro último, o paramilitar Vladimir Melgaço Montenegro, o Bibi, e uma jovem que o acompanhava, foram mortos na saída de um baile funk, em Santa Cruz. As vítimas estavam em um carro que foi alvo de cerca de cem disparos.

Segundo informações que estão sendo investigadas pela polícia, o ataque foi realizado por comparsas de Danilo Dias Lima, o Tandera, que disputa o controle da quadrilha com Luís Antônio da Silva Braga. Bibi, o alvo da emboscada, saiu da cadeia no ano passado, após quatro anos preso, e se aliou a Zinho.

As milícias chefiadas por Tandera e Zinho disputam territórios e a exploração de negócios irregulares. De acordo com estimativas da polícia, os negócios explorados pela milícia na Zona Oeste chegam a movimentar R$ 10 milhões por mês. Só com a cobrança de taxas impostas aos motoristas de vans, os paramilitares arrecadam uma quantia mensal de R$ 2 milhões.

Tandera e Zinho já integraram um mesmo grupo paramilitar e ocupavam postos distintos na organização criminosa. O primeiro era homem de confiança de Wellington da Silva Braga, o Ecko, que substituiu no comando da quadrilha o irmão Carlos Alexandre da Silva Braga, Carlinhos Três Pontes, morto pela polícia em 2017.


Leia Também

No bando chefiado por Ecko, Tandera tinha função de expandir os domínios da milícia na Baixada Fluminense, principalmente nos municípios de Nova Iguaçu, Seropédica e Itaguaí. Já Luís Antônio da Sila Braga, irmão de Ecko, era o encarregado de fazer a contabilidade do grupo criminoso e de lavar o dinheiro sujo da milícia.

Em dezembro de 2020, Tandera e Ecko teriam tido um desentendimento e o bando se dividiu. Em junho de 2021, Ecko morreu numa troca de tiros com policiais civis, e Zinho passou a liderar a maior parte da quadrilha. Desde então, os dois grupos passaram a realizar ataques mútuos e a disputar território e a exploração de negócios ilícitos.

Os confrontos entre Zinho e Tandera atingiram seu ápice em setembro, quando várias vans foram queimadas em Santa Cruz e Paciência, na Zona Oeste. Os ataques aos veículos foram ordenados por Tandera, após a morte de dois de seus comparsas em Nova Iguaçu. O revide também deixou vítimas fatais. Houve ao menos seis assassinatos em um intervalo de seis dias na Zona Oeste, todos com suspeita de ligação com a disputa.

Em novembro, um incêndio em posto de gasolina teria sido ordenado para pressionar o pagamento de taxas de segurança impostas pelos dois grupos.

Zinho e Tandera estão com as prisões decretadas pelo Tribunal de Justiça do Rio e são considerados foragidos. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece recompensa de R$ 5 mil por informações que levem até a prisão do miliciano Danilo Tandera. Segundo a polícia, ele controla a milícia em pontos de Nova Iguaçu, Itaguaí, Seropédica e em parte de Santa Cruz.

O Disque-Denúncia também oferece recompensa de mil reais por informações que levem até a prisão Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho.

De acordo com a polícia, a milícia chefiada por Zinho atua na maior parte da Zona Oeste do Rio, incluindo principalmente os bairros de Campo Grande, Paciência e Santa Cruz.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários