O assassinato de Alcebíades Paes Garcia foi motivado por uma briga de família - é o que afirma o presidente de honra da Acadêmicos do Salgueiro, Rafael Alves. A declaração foi dada após o enterro de Bidi , como Alcebíades era conhecido, no início da tarde desta quarta-feira (26), no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju, Zona Norte do Rio.

Leia também: Irmão de bicheiro foi assassinado após ser testemunha em investigação policial

Bidi foi encontrado já sem vida dentro de van na Barra da Tijuca
Reprodução
Bidi foi encontrado já sem vida dentro de van na Barra da Tijuca



“Era meu amigo há 15 anos. Mais um membro da família que sofre essa covardia, que a gente não sabe onde isso vai acabar. Essa briga de família que o Rio de Janeiro sabe de onde vem e, infelizmente, a justiça e a polícia não estão conseguindo solucionar esses crimes. Alguém tem interesse nisso. Não sei quem é, quem tem que solucionar é a polícia”, falou.

A família Garcia é apontada pela polícia como chefe do jogo do bicho no Rio. Segundo o presidente de honra do Salgueiro, Bidi não convivia muito com a família.

"Ele tinha uma relação de afastamento com a família, não era de dia a dia, não tinha briga, guerra. Bidi não tinha guerra com ninguém. Eram brigas por bens, inventários, eram essas coisas que, infelizmente, nunca chegaram num acordo para isso acabar. Infelizmente, o dinheiro, o poder e a ganância estão falando mais alto e nisso vidas estão indo embora e famílias chorando", declarou.

Rafael é marido de Shanna Harrouche Garcia, sobrinha de Bidi, que também sofreu um atentado em outubro do ano passado. Segundo ele, tio e sobrinha tinham um bom relacionamento. "Ele tinha zero disputas com a Shanna, com ela estava super bem", afirmou. Entretanto, Shanna Garcia não foi ao enterro do tio.

Bidi foi morto com quarenta tiros quando chegava em casa, na Barra da Tijuca , Zona Oeste do Rio, na madrugada de terça-feira. Ele voltava da Marquês de Sapucaí, após aproveitar o segundo dia de desfiles das escolas de samba do grupo especial.

Leia também: Jovem é esganada pelo ex-companheiro durante série de agressões no Rio

"Domingo a gente passou juntos. Entramos na frente da escola na avenida, ele não desfilou com camisa de diretoria, mas veio à frente da escola, prestigiando. Não temos briga no Salgueiro, a gente respeita o atual presidente, o André, a gente ama a escola independente de quem esteja a frente dela. A família Garcia sempre apoiou a escola, todo mundo sabe disso. Ele ficou com a gente no camarote, foi também no camarote King, ficou rindo, brincando, ele estava com a credencial, então rodou tudo, foi em mais de um camarote", disse. 

A Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) está investigando o crime. 

    Veja Também

      Mostrar mais