Tamanho do texto

A prisão ocorreu após viralização de vídeo, onde padrasto agride criança enquanto mãe pede que pare com receio de que a menina fique marcada

agressão criança arrow-options
Divulgação
"Para de judiar dela, depois vou levar na creche e vai ficar toda marcada", diz a mãe em vídeo


Um casal foi preso preventivamente nesta quarta-feira (20) após o padastro aparecer em um vídeo agredindo uma menina de dois anos e oito meses. A mãe, de 21 anos, e o homem, de 47, foram detidos após as imagens viralizarem nas redes sociais. O caso ocorreu em Palmares do Sul , no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, e está sendo investigado pela Polícia Civil. 

Leia também: Polícia cogita envolvimento de Carlos Bolsonaro no caso Marielle, diz colunista

Na gravação, o padrasto dá palmadas nas nádegas e no rosto da criança, puxa os cabelos, aperta a genitália da menina e dá beijos em seu peito. A criança chora e tampa o rosto, enquanto a mãe grita que ele pare e diz "para de judiar dela, depois vou levar na creche e vai ficar toda marcada". O padrasto chega a chamar a menina de “desgraçada” e “catinguda”. 

Após repercutir nas redes sociais, o vídeo chegou ao Conselho Tutelar, que acionou a Polícia Civil. Segundo o delegado Antônio Carlos Ractz Júnior, responsável pelo caso, os vídeo foi gravado neste mês.

Também moravam na casa onde as agressões ocorreram outras duas crianças, uma de um ano e oito meses e outra de seis anos, que também são enteadas do homem. O Conselho Tutelar as afastou do convívio familiar, deixando elas com família substituta. Todas as crianças terão de passar por exames de corpo de delito, verificação de violência sexual e avaliação psíquica.

Leia também: Novo partido de Bolsonaro trata aborto como "uma traição social"

O delegado informou que as investigações prosseguem para verificar se as outras crianças sofreram agressão ou se foram abusadas sexualmente pelo padrasto, o que levaria ele a responder também por estupro de vulnerável.