Tamanho do texto

Em menos de uma semana, ofensivas da Operação Morumbi Mais Seguro enfraquecem tráfico em Paraisópolis, onde facções mantêm 'depósitos'

Cão do Canil Central e drogas
Divulgação/COE-PMSP
Canil da Polícia Militar e COE participaram da Operação Morumbi Mais Seguro

Equipes do Canil Central e pelo COE (Comandos e Operações Especiais) da Polícia Militar de São Paulo voltaram a atacar com sucesso o tráfico de drogas na favela do Paraisópolis , a maior da capital paulista, na zona sul. 

A região é usada por facções criminosas como "pólo de distribuição" de drogas para outras comunidades, aproveitando a vastidão de barracos para serem usados como esconderijo, segundo explica o Tenente Marinho, do COE .

Marinho atuou ao lado de mais 26 militares, divididos em sete equipes, em ações conjuntas realizadas no início desta semana na comunidade. O saldo das ofensivas, que vêm sendo realizadas desde a semana passada, já é de mais de 1 tonelada de drogas apreendidas, além de itens para preparação da droga, dinheiro, munição e carregadores de armas.

Leia também: O assassinato do Bombeiro Antônio Carlos Jeffrey por terroristas

Policial do COE e cão do Canil
Divulgação/COE-PMSP
COE e Canil encontraram centenas de quilos de drogas em barracos em Paraisópolis

Na segunda-feira (15), equipes do Cani Central (que integra o 3º Batalhão de Choque) e do COE (do 4º Batalhão de Choque) prestaram apoio à Operação Morumbi Mais Seguro , desdobramento da São Paulo Mais Segura, promovida pelo governador João Doria (PSDB).

O Tenente Marinho relata que, durante patrulhamento em busca de esconderijos denunciados à polícia, o pastor belga malinois Ching indicou odor de drogas saindo de um barraco. No local, que estava inabitado, foram encontrados cerca de 330 quilos de maconha, além de apetrechos para embalagem da droga e máquina para contagem de cédulas de dinheiro.

A poucos metros dali, em uma rua interligada àquele mesmo endereço por apenas uma viela, outra equipe encontrou mais um barraco utilizado como armazém pelo tráfico. Esse segundo local escondia aproximadamente 110 quilos de cocaína. Mais uma vez, ninguém estava no barraco.

"Aquela região tem vários pontos de armazenamento de drogas. Nossas operações estão sufocando a área e eles [traficantes] não estão conseguindo remover os entorpecentes para outros barracos", conta o Tenente Marinho. "A gente dá continuidade a essas ações, respeitando as questões logísticas, para que eles continuem sempre tomando prejuízo", complementa.

Essas ofensivas se somam a outra grande operação de sucesso realizada no último sábado (13), também em Paraisópolis. Na ocasião, equipes do Canil e do COE localizaram quase 500 quilos de cocaína e 70 quilos de maconha, prontos para venda. O barraco onde a droga estava armazenada escondia também munições, carregadores de pistolas e metralhadoras, dez balanças de precisão e uma espécie de 'cofre do tráfico' que continha R$ 31.500. O caso foi registrado no 89º Distrito Policial.

Leia também: Mágino Alves Barbosa Filho fala sobre sua gestão como Secretário de Segurança

COE e apreensão de drogas
Divulgação/COE-PMSP
No sábado, mais de 500 quilos de drogas foram apreendidas na favela do Paraisópolis