Silvio Berlusconi, um dos algozes de Mario Draghi, é amigo de longa data de Vladimir Putin
Reprodução/Flickr - 21.07.2022
Silvio Berlusconi, um dos algozes de Mario Draghi, é amigo de longa data de Vladimir Putin

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi Di Maio, culpou partidos pró-Rússia pela queda do premiê Mario Draghi, que renunciou após ter perdido sua base de apoio no Parlamento .

"Não é coincidência que o governo tenha sido derrubado por forças políticas que piscam o olhinho para Vladimir Putin", disse o chanceler nesta quinta-feira (21). "Esse é só o primeiro ato de um percurso para tentar tirar a Itália de suas alianças históricas e tentar desestabilizá-la do ponto de vista econômico", acrescentou Di Maio.

Draghi tem sido uma das vozes mais duras na União Europeia contra o regime Putin e foi derrubado por três partidos acusados de simpatizar com o presidente da Rússia.

Um deles, o conservador Força Itália (FI), é liderado pelo ex-premiê Silvio Berlusconi, amigo de longa data de Putin e que apenas em abril, quando já circulavam notícias dos massacres em cidades ucranianas ocupadas, admitiu estar "profundamente decepcionado" com o mandatário russo.

Já a ultranacionalista Liga chegou a assinar um acordo de cooperação com o partido de sustentação do regime, o Rússia Unida, e seu líder, o senador Matteo Salvini, disse em 2015 que "trocaria dois Mattarellas [presidente da Itália] por meio Putin".

O terceiro partido responsável pela queda de Draghi é o antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), cujo presidente, o ex-primeiro-ministro Giuseppe Conte, é acusado de ter deixado a Rússia usar uma operação de ajuda sanitária à Itália no início da pandemia de Covid-19 para fins de inteligência e propaganda.

O próprio Di Maio era uma figura histórica do M5S, mas rompeu com o movimento por discordar da linha de Conte contrária ao envio de ajuda militar à Ucrânia. "Fiz uma batalha dentro do M5S para colocá-lo no lado certo da história, com a Otan e a União Europeia. Quando vi que não era possível, quando até o embaixador russo em Roma endossou o M5S, decidi sair", declarou o ministro.

Já a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que Moscou não tem "nada a ver" com a crise italiana. "Não apenas analistas e blogueiros, mas também políticos italianos atribuem mudanças políticas internas à Rússia. Isso nos chocou", acrescentou.

Segundo Zakharova, o governo Draghi deve ser "avaliado pelos italianos". "A Itália é um país soberano, independente e que não deveria depender de ninguém. Não entendo a necessidade interna de explicar o que acontece com fatores externos", ressaltou.

Entre no canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários