Iryna Venediktova, procuradora-geral, foi suspensa do governo ucraniano
Divulgação/Iryna Venediktova
Iryna Venediktova, procuradora-geral, foi suspensa do governo ucraniano

Os novos chefes interinos da agência de Inteligência doméstica e da Procuradoria Geral da Ucrânia , dois dos cargos mais poderosos do país, são acusados de terem vínculos com suspeitos de corrupção influentes no governo, apontam veículos da imprensa ucraniana.

Ambos foram nomeados depois que, no domingo à noite, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, anunciou a saída do governo da procuradora-geral, Iryna Venediktova, e do chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU), Ivan Bakanov — este último, um amigo de infância seu, e um de seus mais fiéis aliados.

Em um discurso à noite, Zelensky explicou que os tirou do governo devido à suposta incapacidade da dupla de conter centenas de casos de traição a favor da Rússia.

“Isso levanta questões muito sérias para os líderes [dessas organizações]”, disse Zelensky.

Nesta segunda-feira, um representante do presidente, Andriy Smirnov, disse que ambos foram apenas suspensos, e não demitidos definitivamente. Segundo ele, "serão realizadas verificações oficiais e uma investigação”, ao término da qual Zelensky decidirá se requer ou não os desligamentos definitivos ao Parlamentos.

Enquanto isso não acontece, informações que repercutiram nesta segunda-feira indicam que pode haver uma disputa política por trás das substituições.

Além de serem ocupantes dos cargos de vice em suas respectivas autarquias até ontem, os dois substitutos interinos — Oleksiy Symonenko, na Procuradoria Geral, e Vasyl Malyuk na agência de Inteligência — têm vínculos com o chefe de gabinete de Zelensky, Andriy Yermak, e com o seu vice, Oleh Tatarov.

Os dois últimos são alvos de diversas denúncias, que vão desde a imprensa ucraniana até uma deputada federal americana. É o último, Tatarov, um velho conhecido dos ucranianos, quem acumula as suspeitas mais sérias.

Ele foi um alto oficial da polícia durante o mandato do ex-presidente Viktor Yanukovych, derrubado após os protestos do EuroMaidan em 2014. Naquela época, Tatarov sofreu acusações de perseguir manifestantes, e também os atacou publicamente, enquanto defendia a polícia que os espancou.

Atualmente Tatarov é responsável pela aplicação da lei e por esforços anticorrupção no Gabinete de Zelensky. Ele vem sendo acusado há mais de um ano de adiar a nomeação de um promotor anticorrupção independente, tornando disfuncional a Procuradoria Especializada Anticorrupção e a Secretaria Nacional Anticorrupção (Nabu).

Em 2020, Tatarov selecionou os membros de um painel de seleção para escolher o promotor. Considerado independente, o detetive da Nabu Oleksandr Klymenko venceu o processo seletivo e ia ser nomeado em 2021. Subitamente, no entanto, o painel se recusou a indicá-lo.

Segundo o jornal Kyiv Independent, Tatarov barrou a decisão porque Klymenko estava encarregado de investigar um caso de suborno contra ele. A investigação foi paralisada pela Procuradoria Geral e, em seguida, transferida para a SDU.

Segundo o jornal ucraniano Pravda, quem foi responsável pela transferência foi ninguém menos do que o novo procurador-geral interino, Oleksiy Symonenko.

Além disso, tanto Symonenko quanto o novo chefe da SDU foram filmados por repórteres do Pravda no aniversário de Tatarov em setembro do ano passado.

Críticas nos EUA
A presença de Tatarov no governo da Ucrânia gerou críticas recentes no Congresso americano. No dia 8 de julho, a deputada federal republicana Victoria Spartz, que tem origem ucraniana e morou no país até os 22 anos, enviou uma carta para o presidente Joe Biden dizendo que Tatarov, “como o senhor bem sabe, vem adiando a nomeação de um promotor anticorrupção independente há mais de um ano, tornando disfuncional a Nabu”.

Já o chefe de Gabinete de Zelensky, Andriy Yermak, recebeu diversas acusações da deputada americana, incluindo “vazar informações para a Bielorrússia e para a Rússia", de ”gerenciar mal as negociações de paz fracassadas com a Rússia antes da guerra", e de desinformar Zelensky sobre a ameaça de invasão .

Estas acusações de Spartz contra Yermak, segundo o Kyiv Independent, carecem de evidências. As denúncias provocaram um escândalo na Ucrânia e nos EUA, com algumas autoridades ucranianas atacando a congressista. A deputada democrata Marcy Kaptur, copresidente da comissão sobre a Ucrânia, divulgou uma declaração em apoio a Zelensky e seus funcionários.


Yermak, no entanto, também é ele mesmo acusado de corrupção. Em 2020, Geo Leros, então deputado do partido de Zelensky (Servo do Povo), publicou vídeos que mostravam o irmão de Yermak, Denis, discutindo a venda de cargos no governo.

Dois supostos parceiros de Denis no esquema, Serhii Shumsky e Dmytro Shtanko, disseram ao projeto de jornalismo investigativo Bihus.info que os dois irmãos de fato receberam propina em troca de nomeações públicas. Em vídeos vazados para o mesmo site, Yermak também discutiu atrapalhar os negócios da empresa de logística dinamarquesa MAERSK e da empresa de logística ucraniana TIS.

Os irmãos negam as acusações de venda de cargos. Segundo o Pravda, o novo chefe da SDU, Vasyl Malyuk, é próximo a Yermak. O jornal, no entanto, não especifica qual é o vínculo.

Outros motivos para as demissões
Com acesso aos bastidores do partido Servo do Povo, a imprensa ucraniana não questiona o discurso oficial sobre a saída de Bakanov da SDU, de que ele falhou em inibir supostos traidores. O Pravda, no entanto, noticiou em junho que o agora ex-chefe de inteligência e Yermak tinham um longo conflito sobre quem influenciava mais o presidente, agora finalmente vencido pelo chefe de Gabinete.

Além disso, a mídia ucraniana traz ainda novas informações — contraditórias entre si, no entanto. — sobre a saída da procuradora-geral.

Segundo o site Babel, a razão não oficial para a retirada de Venediktova são as relações tensas com o gabinete do Presidente, que entende que ela foi lenta e pouco eficaz na coleta de evidências, incluindo contra presos de alto calibre, como o ex-presidente Petro Poroshenko e o magnata Viktor Medvedchuk, próximo a Vladimir Putin.

Já o Pravda aponta um motivo quase oposto: a insatisfação de Zelensky foi causada pela atividade midiática da procuradora-geral e por sua decisão de avançar em processos contra prisioneiros militares russos em tribunais de forma acelerada. Isso, segundo pessoas envolvidas nas negociações com os russos, poderia ameaçar o julgamento de prisioneiros ucranianos na Rússia e suspender as trocas de prisioneiros.

Seja qual for o motivo de fato, as substituições motivaram críticas de observadores políticos ucranianos.

Em texto assinado pela editoria, o site Ukraine World afirma que “essas demissões e nomeações podem significar o fortalecimento das posições de Yermak e Tatarov no círculo de Zelensky”.

Já para a premiada jornalista Nika Melkozerova, editora-executiva do veículo New Voice Ukraine, “o fato de que as pessoas do sistema antigo ainda comandam o SBU e a Procuradoria Geral significa que a razão pela qual Zelensky alega ter demitido Bakanov e Venediktova é besteira. Este é um jogo de poder no meio da guerra”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários