Mortos são enterrados em valas comuns em Mariupol, na Ucrânia
Foto: Mstyslav Chernov
Mortos são enterrados em valas comuns em Mariupol, na Ucrânia

Uma nova vala comum com cerca de 100 corpos foi encontrada em Mariupol, cidade portuária ucraniana que está sob controle russo desde maio, informou o conselheiro da Prefeitura, Petro Andryushchenko, ao portal Unian nesta sexta-feira (1º).

"Tristes achados a cada semana. Uma nova vala comum foi encontrada na rua Kievskaya, número 53. Mais uma vez, cerca de 100 corpos de pessoas que morreram em fevereiro", afirmou à agência.

Andryushchenko, assim como o prefeito Vadym Boychenko, não estão mais na cidade, mas continuam a receber informações de amigos e ex-membros do governo que continuam em Mariupol.

Ainda na matéria da Unian, o assessor afirma que os corpos foram localizados durante os trabalhos de militares russos para retirar escombros de prédios e residências bombardeados entre fevereiro e maio.

"Os ocupantes retiram os escombros da área e, de novo, não falam em enterrar as pessoas. As exumações estão paradas e as autoridades de ocupação estão tão empenhadas em criar uma imagem de recuperação que não enterram os corpos. As sepulturas temporárias nas ruas estão virando, pouco a pouco, permanentes", acrescentou ainda.

Esses enterros temporários foram feitos por moradores locais durante os períodos em que os bombardeios cessavam. São corpos de parentes e amigos que foram enterrados em ruas, jardins e parques à espera do fim do conflito para um sepultamento digno.

No entanto, os ex-líderes municipais acusam a Rússia de ignorar esses corpos e de manter valas comuns conforme as encontram. No último dia 27, Andryushchenko havia informado que mais de 100 corpos de civis tinham sido descobertos sob os escombros de uma residência destruída em um ataque.

A Rússia não comentou a situação.

A cidade portuária de Mariupol tinha cerca de 400 mil habitantes antes da guerra e estima-se que cerca de 100 mil não conseguiram fugir da localidade durante os conflitos.

O local tornou-se um dos cenários mais trágicos da invasão russa e a Prefeitura estima que cerca de 20 mil cidadãos morreram nos ataques ou por não ter acesso a itens básicos de sobrevivência, como água, comida e remédios. Cerca de 90% dos prédios e das residências foram destruídos em bombardeios russos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários