Carros transitam por ruas de cidade japonesa durante a noite
Reprodução/Flickr - 24.06.2022
Carros transitam por ruas de cidade japonesa durante a noite

Um homem perdeu um pen drive contendo dados de moradores de toda uma cidade esta semana, após sair para beber.

Ele trabalha para uma empresa encarregada de fornecer benefícios a famílias isentas de impostos, em Amagasaki, no Japão. O dispositivo, segundo um comunicado do governo, continha nomes, datas de nascimento e endereços de 465.177 pessoas.

O trabalhador, de 40 anos, adormeceu na rua depois de ingerir bebidas alcoólicas em um restaurante. Após acordar, sua bolsa contendo o pen drive havia sumido, segundo a emissora pública NHK. 

Na terça-feira (21), ele foi ao centro de informações da prefeitura e transferiu os dados dos moradores para um pen drive. 

Já na quarta-feira, o trabalhador procurou o dispositivo, mas não conseguiu encontrá-lo, então registrou um boletim de ocorrência de perda de propriedade na polícia, de acordo com o comunicado do governo. No fim da tarde, a empresa notificou o governo da cidade sobre a perda.

Autoridades informaram que o pen drive é criptografado e nenhum vazamento de dados foi confirmado ainda. O funcionário que tinha sido autorizado a acessar os dados, não tinha permissão para transferi-los para um dispositivo separado.

O pen drive também continha informações confidenciais, incluindo detalhes fiscais, nomes, números de contas bancárias e informações sobre famílias que recebiam assistência pública, como pagamentos de creches.

Em uma entrevista coletiva na quinta-feira, o prefeito da cidade e outras autoridades pediram desculpas aos moradores.

A cidade fornecerá mais informações sobre o caso à medida que investigam, disse o comunicado oficial – que terminou com um lembrete para os funcionários do governo obterem permissão antes de retirar os pen drives dos escritórios da cidade.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários