Comissão Europeia recomenda candidatura oficial da Ucrânia à UE
Ansa
Comissão Europeia recomenda candidatura oficial da Ucrânia à UE

A Comissão Europeia emitiu nesta sexta-feira uma recomendação para que seja concedido à Ucrânia o status de candidata oficial ao ingresso na União Europeia (UE), condicionando a adesão a uma série de reformas. É o primeiro passo de um processo que pode levar ao redor de uma década, mas dá momento à campanha do presidente Volodymyr Zelensky e ao seus esforços frente à invasão russa, que está prestes a entrar em seu quinto mês.

O aval do Executivo da UE já era tido como inevitável desde sábado, quando Von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia, viajou pessoalmente a Kiev para discutir os detalhes do processo com Zelensky. Endosso ainda maior veio na quarta, quando foi a vez do presidente da França, Emmanuel Macron, do premier italiano, Mario Draghi, e o do chanceler alemão, Olaf Scholz, viajarem à capital ucraniana e declararem seu apoio à candidatura "imediata" do país à UE.

A Comissão Europeia também deu um sinal verde para a candidatura da Moldávia, que deu entrada no seu pedido logo após a Ucrânia, preocupada com os avanços do Kremlin na região. Negou, contudo, a concessão do status à Geórgia, que travou uma breve guerra com a Rússia em 2008, considerando que o país ainda não está pronto.

As decisões, contudo, não dão automaticamente aos países o status de candidatos à UE. O assunto agora será discutido na cúpula continental, marcada para os dias 23 e 24 deste mês, e é necessário que haja aval unânime de todos os integrantes da UE para que seja confirmado — algo que, neste momento, é incerto.

É só quando a partir do consenso entre os países-membros que começa o processo oficial de candidatura, com anos de negociações e reformas internas para que o país se adeque aos termos do bloco. Segundo Von der Leyen, Kiev já implementa cerca de 70% das regras, normas e padrões continentais, mas mudanças adicionais serão necessárias:

"Os ucranianos estão prontos para morrer pela perspectiva europeia (...). Queremos que eles viva conosco nosso sonho europeu", disse ela, vestindo uma camisa azul e um blazer amarelo, as cores da bandeira ucraniana. — Isso, é claro, com o entendimento de que o país realizará uma série de reformas importantes.

A decisão foi comemorada por Zelensky, defensor da ideia de que o título de país-membro reduziria sua vulnerabilidade geopolítica, pondo o país ainda mais na órbita europeia. Segundo o presidente, o anúncio desta sexta irá ajudar os ucranianos a lutar contra os avanços do Kremlin:

"A conclusão positiva da Comissão Europeia sobre o status de candidatura é louvável", tuitou o mandatário, agradecendo e afirmando esperar um bom resultado na cúpula europeia da semana que vem. "É o primeiro passo no caminho para a adesão à UE que, certamente, nos deixará mais perto da vitória."

A recomendação da comissão é um documento técnico e burocrático que analisa a compatibilidade de um país com a UE, levando em conta aqueles que são conhecidos como os "critérios de Copenhague". O bloco avalia temas como governança, justiça e economia — ambas questões em que Ucrânia e Moldávia pecam. Em Kiev, a corrupção endêmica e os desafios de reconstrução após a invasão russa, em particular, geram preocupações.

"As conversas sobre adesão estão mais a frente", disse Oliver Varhelyi, o responsável no bloco pela coordenação de novas candidaturas. "Hoje não é sobre isso. Assim que as condições forem cumpridas, então teremos que voltar e refletir".

Falta consenso

Entre os 27 países-membros há opiniões divergentes até mesmo no que diz respeito à concessão do status de candidata, o que deve complicar a cúpula da semana que vem. Há países que defendem a importância do gesto, um endosso simbólico aos esforços ucranianos para fazer frente aos ataques do presidente Vladimir Putin, apesar de reconhecerem que Kiev ainda está aquém do necessário para o título.

Segundo eles, isso permitiria a Kiev se reerguer mais facilmente quando a guerra chegar ao fim e começaria a integração ao bloco, que financiará parte significativa desta reconstrução.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários