Situação em Taiwan está tensa há meses
Flickr
Situação em Taiwan está tensa há meses

China alertou os Estados Unidos de que "não hesitará em iniciar uma guerra" no caso de  Taiwan declarar independência com apoio dos norte-americanos.

A afirmação foi feita nesta sexta-feira (10) durante um encontro formal entre o ministro da Defesa, Weu Fenghe, e o chefe do Pentágono, Lloyd Austin, em Singapura, e foi repercutida pelo porta-voz da pasta, Wu Qian.

"Se qualquer um ousar dividir Taiwan da China, o exército chinês não hesitará em iniciar uma guerra a qualquer custo. Taiwan é parte da China e o princípio da 'China Única' é o fundamento político das relações sino-americanas. É impossível usar Taiwan para controlar a China", diz a nota publicada pelo ministério de Pequim.

O comunicado ainda ressalta que os "EUA anunciaram recentemente uma nova venda de armas" para o território, o que é visto como uma "grave ameaça" à soberania chinesa. "O governo e o exército destruirão qualquer tentativa de independência de Taiwan e salvaguardará a reunificação", diz ainda.

A nota ainda reforça discursos recentemente feitos pelo presidente chinês, Xi Jinping, e pede a estabilização da situação na região Ásia-Pacífico, que vendo sendo alvo de acordos bilaterais dos EUA que estão irritando Pequim.

"É preciso fazer esforços conjuntos dos países da região para mantê-la. A China espera estabelecer uma saudável e estável relação entre os principais países da área com os Estados Unidos, que deve ser também a direção dos esforços conjuntos entre EUA e China", ressalta.

Por sua vez, Austin afirmou que está na hora da China se abster "em aplicar novas ações desestabilizantes na relação com Taiwan" e reforçou que Washington tem "graves preocupações" sobre o comportamento do exército de Pequim no território autônomo.

Conforme fontes ligadas ao norte-americano, apesar da tensão, ambos conseguiram encontrar um acordo para realizar novos encontros sobre o assunto e para melhorar a comunicação direta entre as partes.

A situação sobre Taiwan vem se agravando mês após mês e se acentuou em maio quando o presidente Joe Biden fez um discurso dizendo que os EUA defenderiam o território em caso de ataque da China. O mandatário afirmou que o país respeita a política da China Única, "mas que isso não significa que a China possa tomar Taiwan à força".

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários