Líderes discutiram o envio de mais armas à Ucrânia
Montagem iG / Imagens: Reprodução / CNN Brasil
Líderes discutiram o envio de mais armas à Ucrânia

Nesta segunda-feira (6), o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, informou que o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson , confirmou um novo pacote de ajuda militar à Kiev.

De acordo com publicação do mandatário nas redes sociais, além da guerra na Ucrânia , os líderes também discutiram formas de atenuar a crise alimentar global e desbloquear os portos do país, que hoje estão ocupados pela Rússia.

Pouco tempo depois, o governo britânico confirmou o envio de lançadores M270 — que podem atingir alvos a até 80 km de distância — e de munições M31A1.

O secretário de Defesa Ben Wallace afirmou que o envio dos novos armamentos vai permitir que a Ucrânia se proteja melhor do que chamou de "uso brutal e indiscriminado de artilharia de longo alcance pelos russos em áreas de civis".

O gabinete de Johnson confirmou que os líderes conversaram sobre possíveis negociações diplomáticas entre as nações e outros esforços com o objetivo de acabar com o bloqueio russo das exportações de grãos da Ucrânia.

Nas redes sociais, o premiê também se manifestou sobre a guerra e comentou a conversa que teve com Zelensky. "Está claro que o povo ucraniano não se curvará à brutalidade russa. Somos inabaláveis em nossa missão de garantir que Kiev seja defendida e apoiada", escreveu.

Hoje, o primeiro-ministro enfrenta um voto de desconfiança desencadeado por legisladores dentro do partido do qual ele faz parte . A votação está prevista para acontecer entre 18h e 20h do horário local (entre 14h e 16h no horário de Brasília) e, dependendo do resultado, pode fazer com que Johnson deixe o cargo.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários