Gustavo Petro e Rodolfo Hernández, candidatos à presidência na Colômbia
reprodução/montagem iG - 30/05/2022
Gustavo Petro e Rodolfo Hernández, candidatos à presidência na Colômbia

O primeiro turno das eleições presidenciais na Colômbia no domingo determinou que o ex-guerrilheiro e esquerdista Gustavo Petro, com 40% dos votos, e o populista de direita Rodolfo Hernández, que teve um crescimento avassalador e chegou a 28% dos votos, irão se enfrentar no segundo turno daqui a três semanas.

Apesar de, em um primeiro momento, os dois aparentarem ter posições opostas em alguns temas delicados, pelo menos as declarações de ambos sobre legalização da maconha para uso recreacional, aborto e acordos de paz são semelhantes em certos pontos.

Legalização da maconha

O uso de cannabis para fins medicinais é legalizado no país, enquanto o recreacional é ilegal, apesar de descriminalizado se a quantia for de até 22 gramas para uso pessoal. No tema, os dois candidatos concordam em descriminalizar a venda de maconha para fins recreativos.

Em entrevista à revista colombiana Semana em março, Petro classificou como "estupidez", manter "a maconha na clandestinidade".

Já Hernandéz, em uma publicação no Twiiter, afirmou: "fumar maconha já é gratuito em muitos países, mas aqui, onde se produz a melhor, ainda estamos nas mãos da repressão".

Aborto

Na Colômbia, o aborto é descriminalizado até a 24ª semana de gestação. Petro dissera anteriormente que concorda a medida, porém, mais recentemente, vem tentando não se comprometer com o tema, posicionando-se não como "pró-aborto", mas defendendo uma ideia de "aborto zero", na qual ele acredita que educação e oportunidades sejam suficientes para evitar uma gravidez não desejada.

A posição de Hernández, por outro lado, não é clara. Ele já mudou seu posicionamento a favor e contra, inclusive pontuando que a decisão sobre a despenalização até a 24ª semana de gestação seria exagerada.

No entanto, já se manifestou no Twitter dizendo que "apoia o direito ao aborto nas condições estipuladas", após um quadro feito pelo site Infobae mostrar o populista de direita como um dos candidatos à Presidência que não estava de acordo com a decisão.

Acordos de paz

Os dois já afirmaram quem seguiriam com a implementação do acordo de paz com as Farc, iniciado em 2016, e que iniciariam algum processo com o Exército de Libertação Nacional (ELN), a última guerrilha conhecida na Colômbia

Hernández, que votou "não" no plebiscito pela paz com as Farc em 2016, garante em seu programa de governo que abriria um "processo de aproximação com o ELN sem estabelecer mesas de negociação".

Já Petro, em entrevista ao jornal Público, disse que propõe "um desarmamento para o que resta da antiga insurgência, um diálogo político rápido, e aí incluo o ELN e os dissidentes das FARC, que foram forjados porque Duque sabotou o acordo de paz, e esse acordo deve ser cumprido".

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários