Teatro de Mariupol ficou destruído após ataque russo
Reprodução/Twitter
Teatro de Mariupol ficou destruído após ataque russo


Desde o início da invasão russa à Ucrânia , em 24 de fevereiro, cada dia de guerra apresenta um novo desafio para a proteção não apenas da população civil, mas também dos bens culturais do país.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o conflito já provocou danos totais ou parciais em pelo menos 80 locais de valor histórico, cultural ou religioso, incluindo igrejas, prédios, museus e monumentos de oito regiões.

Kharkiv, no nordeste do país, é uma das regiões mais afetadas e contabiliza danos causados por bombardeios russos no Memorial do Holocausto, no Teatro Nacional de Ópera e Balé e no Museu de Arte, entre outros.

No entanto, até o momento não há registro de danos nos patrimônios tombados pela Unesco na Ucrânia, incluindo a Catedral de Santa Sofia, em Kiev, e o centro histórico de Lviv.

Em entrevista à ANSA, a pesquisadora Izabela Tamaso, professora da Universidade Federal de Goiás e especialista em preservação do patrimônio, diz que locais históricos são afetados não apenas por bombas e tiros, mas também pelo "esgarçamento dos tecidos simbólicos e culturais" de um país.

"O impacto é tanto pelas perdas humanas, de fatalidade, de perda de vida, como pelas perdas da fuga de ucranianos do país. Não existe patrimônio sem gente", afirma.

A pesquisadora ressalta que a guerra faz as pessoas saírem "de bairros e sistemas simbólicos menores, onde patrimônios são compartilhados ao longo de séculos e décadas".

"Com as mortes e fugas das pessoas, dos mestres, artesãos e anciãos que transmitem esses saberes, a gente tem um esgarçamento da transmissão dessas tradições, e isso, a médio e longo prazo, pode ter um impacto muito grande na cultura da Ucrânia de maneira geral", afirma.

Segundo Tamaso, embora prédios e monumentos sejam fundamentais para a história da humanidade e do leste europeu, essa materialidade pode ser reconstruída, mas a perda humana não se refaz.

A ONU estima que mais de 1,4 mil civis morreram desde o início da invasão, mas acredita-se que o número real de vítimas é muito maior. Além disso, mais de 5 milhões de pessoas já fugiram do país por causa da guerra.

"A perda de um conjunto de sistemas simbólicos e culturais que porta signos, valores, uma visão de mundo... Uma vez esgarçado, a recomposição é muito mais complexa do que a reconstrução de uma edificação", conclui Tamaso.

Proteção - Em comunicado divulgado recentemente, a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, informou que "o patrimônio cultural precisa ser protegido como um testemunho do passado, mas também como catalisador da coesão para o futuro, sendo que a comunidade internacional tem o dever de preservar".

Desde o início da invasão, a Unesco e outras instituições internacionais iniciaram várias iniciativas para proteger locais e bens culturais, incluindo a criação de um sistema de monitoramento por satélite.


O governo da Itália, por exemplo, instituiu uma força-tarefa destinada a proteger patrimônios culturais ameaçados por conflitos armados ou fenômenos naturais ao redor do mundo.

A Unesco e as autoridades da Ucrânia trabalham para marcar esses locais no país com o distintivo "Escudo Azul" da Convenção de 1954 para a Proteção da Propriedade Cultural durante Conflito Armado.

Na tentativa de preservar a memória ucraniana, já existe um projeto para ajudar cidadãos a "capturar qualquer coisa que eles julguem culturalmente significante". A iniciativa "Backup Ukraine" prevê o escaneamento e armazenamento online em 3D de bens culturais do país.

"A tecnologia está aí para ser usada. Toda alternativa precisa ser acionada. É possível a recuperação de um sistema simbólico, de uma prática, de um saber fazer determinada arte, que é passado de geração em geração, mas precisa de suporte das instituições", afirma Tamaso.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários