Ataque ao prédio do governo de Mykolayiv, na Ucrânia
Reprodução: redes sociais - 29.03.2022
Ataque ao prédio do governo de Mykolayiv, na Ucrânia

O governo da Rússia afirmou nesta sexta-feira (29) que o ataque da última quinta contra Kiev mirou fábricas de mísseis.

bombardeio ocorreu durante a visita do secretário-geral da ONU, António Guterres, à capital ucraniana e deixou pelo menos uma pessoa morta, a jornalista Vera Girich, de 55 anos de idade.

Segundo o Ministério da Defesa russo, mísseis de "alta precisão" atingiram fábricas de equipamentos militares e aeroespaciais. No entanto, um prédio residencial situado perto desses alvos também acabou bombardeado.

De acordo com o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, o edifício de 25 andares é novo e ainda contava com poucos moradores. Esse foi o ataque russo mais próximo do centro da capital ucraniana desde o início da guerra, em 24 de fevereiro.

Após uma tentativa frustrada de conquistar Kiev em poucos dias, a Rússia havia se retirado da região para se concentrar no Donbass, zona do leste da Ucrânia onde ficam os territórios separatistas de Donetsk e Lugansk.

Leia Também

Por conta dos ataques da última quinta, a administração militar da capital pediu para mulheres com crianças pequenas e idosos ainda não retornarem para a cidade. "A ameaça contra Kiev não desapareceu, e os ataques com mísseis de ontem são a prova disso", diz um apelo oficial divulgado no Telegram.

Em uma mensagem no Twitter, o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, disse estar "chocado" pela ação. "A Rússia demonstra ainda mais seu desprezo pelo direito internacional bombardeando uma cidade enquanto o secretário-geral da ONU está presente", declarou o espanhol.

Guterres se reuniu em Kiev com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, e apenas dois dias antes havia sido recebido pelo líder russo, Vladimir Putin, em Moscou. Para Zelensky, os ataques da Rússia foram um "tapa na cara da ONU". 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram  e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários