Papa exibe bandeira da Ucrânia
Divulgação/VaticanNews
Papa exibe bandeira da Ucrânia

O papa Francisco pediu neste domingo (24) coragem para que o mundo inteiro defenda a paz na Ucrânia e fez um apelo aos líderes políticos, sem citá-los diretamente, para que escutem o povo que clama pelo fim do conflito.

"Peço a todos que rezem pela paz e tenham a coragem de dizer que a paz é possível. Que os líderes políticos ouçam a voz das pessoas que querem a paz e não uma escalada do conflito", disse o Pontífice na recitação da oração Regina Coeli, que substitui o Angelus no período Pascal.

Já conhece o canal do Último Segundo no Telegram ? Entre e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

O líder da Igreja Católica destacou que "hoje várias igrejas orientais católicas e ortodoxas e também várias comunidades latinas celebram a Páscoa segundo o calendário juliano e lembrou que a guerra russa na Ucrânia já completou dois meses.

"Em vez de parar, a guerra se intensificou. É triste que nestes dias, que são os mais santos e solenes para todos os cristãos, o barulho mortal das armas é ouvido mais do que os sinos anunciando a Ressurreição [de Jesus Cristo]. E é triste que as armas estejam substituindo a palavra", lamentou.

Francisco reiterou seu apelo por uma trégua na Páscoa ortodoxa, um "sinal mínimo e tangível de desejo de paz". "Pare o ataque para atender ao sofrimento da população exausta", enfatizou ele aos fiéis na Praça São Pedro, no Vaticano, pedindo paz a todos.

O Santo Padre tem expressado frequentemente a sua preocupação com a guerra desencadeada com a invasão russa na Ucrânia desde o dia 24 de fevereiro, tendo chegado a propor a mediação do Vaticano. Além disso, Jorge Bergoglio condenou o "massacre" contra a população civil e desistiu de realizar um encontro com o primaz da Igreja Ortodoxa Russa, Cirilo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários