Equipes da CICV e da Cruz Vermelha ucraniana realizam uma distribuição de água em Olenovka
Reprodução/Cruz Vermelha - 09.03.2022
Equipes da CICV e da Cruz Vermelha ucraniana realizam uma distribuição de água em Olenovka

No Dia Mundial da Água, em 22 de março, o chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, e o comissário europeu para Assuntos Marítimos e de Pesca, Virginijus Sinkevičius, acusaram a Rússia de usar a água como arma de guerra na Ucrânia.

Em comunicado, Borrell e Sinkevičius afirmaram que, na cidade portuária de Mariupol, no Leste do país, as forças russas cortaram deliberadamente o acesso da população à água potável, "usando a ameaça de desidratação para forçar a rendição da cidade e negando acesso às necessidades mais básicas".

O presidente Volodymyr Zelensky afirma que morreram dezenas de milhares de civis no cerco russo , que se prolonga há quase dois meses na cidade.

A acusação feita pela UE contra a Rússia não se refere a uma tática de guerra limitada ao conflito da Ucrânia. Seja por meio de cercos militares, interrupção do abastecimento ou envenenamento, a restrição ao acesso à água é uma das estratégias mais usadas em campos de batalha como uma forma de forçar a rendição do inimigo.

Em guerras como a da Ucrânia, a falta de acesso à água também pode resultar da destruição da infraestrutura das cidades sob bombardeio, de acordo com o coordenador do curso de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Antônio Jorge Ramalho da Rocha.

"A restrição do acesso à água pode acontecer através de ataques à cadeia de fornecimento, destruição de represas ou até mesmo pela contaminação de reservatórios. Só que, em alguns casos, esse bloqueio é apenas um dano colateral dos ataques armados, sem a intenção deliberada do agressor [de interromper o acesso à água]"  explica.

O abastecimento hídrico faz parte do que os especialistas chamam de “infraestrutura crítica”: todos os serviços e estruturas cuja destruição pode ter como consequência danos pesados à população local. Também entram nessa categoria aeroportos, estradas, pontes, usinas de energia e serviços de comunicação, por exemplo.

Pedro Mendes Martins, mestre em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme), explica que a estratégia por trás do ataque a infraestruturas críticas é enfraquecer o inimigo para impôr uma negociação ou ao menos diminuir sua resistência.

"Afinal, pessoas com fome e com sede não costumam ser bons soldados. Além disso, essa tática pode ser usada para afetar a moral das forças de defesa"  diz Martins.

Restrição do acesso à água é um crime de guerra?

Por definição, os crimes de guerra são violações às leis humanitárias, que foram criadas para limitar a violência durante conflitos armados. Esse conjunto de regras está fundamentado principalmente nas quatro Convenções de Genebra (a primeira aconteceu em 1863 e a última, em 1949), além de seus protocolos adicionais, que oferecem bases para a proteção de civis e a responsabilização dos Estados.

De acordo com Priscila Caneparo, doutora em Direito Internacional e professora da Universidade Católica de Brasília e da Ambra University, o uso da água para forçar a rendição pode ser considerado um crime de guerra.

"Está previsto no estatuto do Tribunal Penal Internacional (TPI) que infringir sofrimento forçado, com vistas à inanição e à falta de acesso a bens básicos para a população civil, é sim um crime de guerra" explica.

A violação de leis humanitárias pode ser julgada pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), quando um país é acusado, e pelo TPI, se um indivíduo for denunciado.

A jurisdição do TPI, entretanto, é restrita a crimes cometidos em território de países que reconheçam o Estatuto de Roma ou por cidadãos de um país signatário. A Rússia e a Ucrânia não fazem parte do estatuto, mas Kiev aceitou, em 2013, a jurisdição do tribunal sobre crimes cometidos em seu território.

Em quais conflitos essa tática foi usada?

Segundo o projeto “Water Conflict Chronology”, coletânea que lista todos os conflitos da história envolvendo água, os usos mais recentes dessa substância como arma de guerra aconteceram durante a Guerra Civil do Iêmen, e nos conflitos na Somália e em Mali.

Em 3 de janeiro desde ano, militantes do ISWAP (Grande Saara) atacaram as aldeias de Labodji, Doreye e Oussadia, em Gao, no Mali. Na ocasião, além de quatro pessoas serem mortas e casas serem queimadas, um tanque de água foi destruído.

Leia Também

Dois dias antes, na Somália, militantes do grupo terrorista Al Shabaab detonaram um explosivo por controle remoto para atingir um caminhão-tanque etíope perto da vila de Feerfeer, matand dez soldados.

De acordo com o site do projeto, o uso da água como tática militar remonta ao ano de 2.400 a.C., quando, na antiga Suméria, o rei de Lagash desviou o curso de um rio para deixar a cidade de Umma sem acesso à água.

O professor do Instituto de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC - Rio), Márcio Scalercio, lembra também que as forças aéreas aliadas, durante a Segunda Guerra Mundial, organizaram operações para destruir represas na Alemanha.

"Na época, eles desenvolveram uma bomba que, quando lançada, quicava até a parede de contenção da represa, explodindo tudo. Ela causava inundações e interrompia o fornecimento de energia elétrica. Os americanos bombardearam represas no Vietnã com o mesmo propósito"  conta.

Outro caso recente foi na Guerra na Síria, onde cidades inteiras foram sitiadas pelo regime de Bashar al-Assad.

Em 2017, 4 milhões de pessoas ficaram sem água na capital, Damasco. Na ocasião, a Autoridade Hídrica de Damasco cortou o fornecimento dizendo que a água havia sido contaminada com diesel pelos opositores. Estes, por sua vez, negaram a acusação, dizendo que um bombardeio do governo havia danificado dutos que abasteciam 70% da região.

Água em disputa no mundo?

No futuro, as mudanças climáticas e o uso não sustentável da água podem se tornar potenciais ameaças à estabilidade política internacional ao agravar a escassez hídrica, sobretudo nas regiões desérticas ou semidesérticas, como o Oriente Médio ou o Norte da África.

"Dois exemplos claros são o conflito entre Egito e Etiópia pelas águas do Rio Nilo e a disputa entre China e Índia sobre o controle de um afluente do Rio Indo, localizado no Vale de Galwan. A junção de crescimento econômico com alterações na oferta hídrica, por causa das mudanças climáticas, cria um cenário de potenciais conflitos no mundo todo. É o caso de regiões como o Sul da Ásia e partes do Oriente Médio" diz Martins, do Eceme.

Rocha, da UnB, aponta como outro motivo de preocupação o manejo não sustentável dos recursos hídricos.

"A necessidade de produzir alimentos por sistemas de irrigação está acelerando a escassez hídrica em boa parte da Ásia, sobretudo na China" afirma o professor.

Segundo ele, enquanto a demanda por água fragiliza países carentes de recursos hídricos, nações da América do Sul, onde estão 23% das reservas de água doce no mundo, poderiam estar em vantagem se fizessem um uso consciente desses recursos.

"O  problema é que a ausência de políticas razoáveis de saneamento e o estímulo ao uso não sustentável de recursos hídricos ameaçam as reservas hídricas do subcontinente" declara.

Mas, apesar de um cenário que parece pessimista, Martins aponta que o risco de conflitos pela disputa de água pode ser bem reduzido pelo avanço tecnológico:

"As novas tecnologias de dessalinização avançam rapidamente, criando alternativas para atender às necessidades humanas" diz.


Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários