Líderes da Otan se reúnem em Bruxelas para debater a crise ucraniana
Reprodução/Ansa - 24.03.2022
Líderes da Otan se reúnem em Bruxelas para debater a crise ucraniana

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, fez um duro discurso durante a reunião de cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) , que está sendo realizada em Bruxelas, nesta quinta-feira (24) e  cobrou mais envio de armas e equipamentos militares para que o país possa se defender dos ataques da Rússia.

"Precisamos de ajuda militar sem restrições. Vocês têm ao menos 20 mil blindados e a Ucrânia está pedindo 1% dos seus blindados. Podem nos dar ou nos vender, mas não nos deixem sem resposta. Precisamos de uma resposta clara", afirmou o mandatário.

Zelensky disse que esses meios militares servem "para bloquear as nossas cidades onde a Rússia tem centenas de milhares de pessoas como reféns, criando artificialmente a fome e destruindo bairros residenciais literalmente em cinzas".

"A Otan precisa mostrar o que pode fazer mais para salvar as pessoas. Precisa mostrar que é verdadeiramente a mais potente associação de defesa do mundo. E o mundo está esperando. E a Ucrânia está esperando ainda mais em ver uma verdadeira ação", pontuou, ressaltando que a Rússia "tem planos de ir mais além da Ucrânia" e que sente que seu país está em uma "zona cinzenta" por não fazer parte da Aliança e nem da União Europeia.

Por diversas vezes, o presidente ucraniano deu a entender que seu governo desistiu de entrar na Otan - o que é também uma exigência de Moscou nas negociações para um acordo de paz -, mas voltou a fazer um apelo para que a Aliança não desdenhe de suas forças armadas.

"A Rússia está usando tudo que tem disponível e, depois de uma guerra assim, por favor, não digam mais que o nosso Exército não satisfaz os padrões da Otan", afirmou. Desde o início do ataque da Rússia, em 24 de fevereiro, os países da Otan têm se limitado a enviar meios militares para ajudar a Ucrânia a se defender, mas não envia tropas ou fechou o espaço aéreo como pedido por Kiev.

Para os líderes da Aliança, uma ação mais ativa poderia significar uma declaração de guerra contra Moscou e a ampliação do conflito na Europa.

Já o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que a Otan continuará a ajudar a Ucrânia a se defender. Além disso, ele pontuou que deve ser aprovado o pedido para o envio de grupos de combates para o Leste, em particular, para a Bulgária, Romênia, Eslováquia e Hungria.

Leia Também

Ainda em seu discurso de abertura, Stoltenberg destacou que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, "cometeu um grande erro" ao atacar um Estado soberano e "subavaliou" a capacidade de resistência dos ucranianos e de suas forças armadas.

Leia Também

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, postou em sua conta no Twitter uma mensagem sobre o encontro.

"Hoje, em Bruxelas, estou encontrando os aliados da Otan, os membros do G7 e o Conselho Europeu para discutir a nossa resposta ao ataque injustificado e não provocado da Rússia contra a Ucrânia. Estamos unidos em defesa da democracia e com o povo da Ucrânia", postou.

A mídia que cobre o evento ainda destacou que há um consenso entre os líderes para que Stoltenberg permaneça mais um ano à frente da Otan por conta da guerra ucraniana.

China 

A China também foi pauta da reunião da Otan antes e durante o início do encontro. Stoltenberg voltou a fazer um apelo para que Pequim "condene a invasão russa" e alertou para que o país "não dê apoio político e militar" aos invasores.

"Estamos diante da mais grave crise para uma geração inteira", disse o chefe da Otan.

Por outro lado, Pequim acusou Stoltenberg de "difundir desinformação" ao dizer que a China apoia a guerra da Rússia contra a Ucrânia. "A posição da China é coerente com os desejos da maior parte dos países e qualquer acusação ou suspeição injustificadas contra a China será derrotada", disse um dos porta-vozes do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, nesta quinta.

"Nós sempre apoiamos que a Ucrânia deveria se tornar uma ponte entre Oriente e Ocidente ao invés de se tornar uma partida de primeira linha entre grandes potências", acrescentou ainda.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários