Ilustração de uma bomba de fragmentação
Reprodução/ Free3D
Ilustração de uma bomba de fragmentação

Grupos que atuam na defesa dos direitos humanos, como a Human Rights Watch e a Anistia Internacional, afirmam que a Rússia está usando bombas de fragmentação na guerra contra a Ucrânia . Esse é um tipo de munição proibido em diversos países.


Tais bombas liberam projéteis menores no ato da explosão, o que aumenta a área do dano. Consequentemente, o risco de mortes também é maior.



Segundo a Folha de S. Paulo, quando não detonadas de imediato, essas bombas ainda funcionam como uma espécie de mina terrestre. Nesses casos, o tempo de exposição aos riscos nas áreas afetadas é prolongado.

Leia Também


De acordo com a publicação, diante de tal letalidade, governos nacionais e entidades internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Cruz Vermelha, se uniram em 2008. Eles proibiram o uso, a produção, o transporte e o armazenamento das bombas de fragmentação. 


A Rússia, a Ucrânia e os Estados Unidos estão entre os países que ficaram de fora da coalizão, conforme aponta o último relatório do grupo. Além deles, o Brasil também não aderiu ao acordo e é apontado como um dos 16 produtores da munição.


Guerra na Ucrânia

O governo de Vladimir Putin faz ataques ao território ucraniano desde a última quinta-feira (24). A motivação declarada é o desejo da Ucrânia em  integrar a Organização do Tratado do Atlântico do Norte (Otan), aliança militar do Ocidente, o que a Rússia não aceita.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários