Protesto em Berlim contra a invasão da Ucrânia
Reprodução/CTV News
Protesto em Berlim contra a invasão da Ucrânia

Diversas cidades europeias registraram protestos contra a invasão russa à Ucrânia iniciada na última quinta-feira (24) . Em Berlim, manifestantes carregavam cartazes contra o presidente da Rússia, Vladimir Putin, nas ruas ao redor do Portão de Brandemburgo.

Segundo o The Guardian, autoridades locais estimam que mais de 100 mil pessoas estiveram na manifestação. O líder sindical Frank Werneke frisou que se tratava de um ato especificamente contra Putin, e não contra a Rússia. "É importante frisar que Putin não é a Rússia", disse ao jornal inglês.

As agências internacionais relataram atos também em Praga, Madri, Londres e Copenhague. Em Praga, 80 mil pessoas se reuniram na praça-central. O primeiro-ministro da República Tcheca, Petr Fiala, discursou, dizendo que ainda se lembrava dos tanques russos tomando a capital há mais de 50 anos.

Na capital espanhola, os manifestantes levaram bandeiras ucranianas às ruas, levantando cartazes pedindo a paz e condenando Putin. O ponto de encontro em Londres foi a Praça Trafalgar. Ingleses, russos e ucranianos estiveram juntos reafirmando os laços entre os dois países. Nos cartazes, frases como "os russos não querem a guerra".

Outras 400 pessoas estiveram em frente a embaixada ucraniana em Copenhague. Eles acenderam velas e colocaram flores como forma de demonstrar apoio pelo povo do país.

Quarto dia de conflito

Leia Também

Na última quinta-feira, o presidente da Rússia Vladimir Putin ordenou que as tropas que já faziam exercícios militares nas fronteiras invadissem a Ucrânia. O presidente russo não aceita o interesse do país vizinho em integram a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar do ocidente.

Durante à noite, os bombardeios se intensificam em endereços militares, mas ao contrário do que afirmam os militares russos, bombas e mísseis já atingiram residências, hospitais, escolas e outras instalações civis. Até este domingo, estima-se que cerca de 210 ucranianos tenham morrido, e 4,3 mil russos - a Rússia não divulga números oficiais de vítimas, apenas os equipamentos militares destruídos.

Na madrugada de hoje, a segunda maior cidade do país, Kharkiv, foi bombardeada . Um prédio de nove andares com civis foi atingido por um míssil - uma mulher morreu e 20 pessoas precisaram ser evacuadas. Outros 60 moradores estavam em um abrigo em uma área subterrânea e não se feriram.

O ministro ucraniano do Interior, Evgeny Yenin, informou à CNN que Rússia e Ucrânia conversam de maneira informal para iniciar a negociação de um cessar-fogo amanhã (28) .

Mais de 4 mil pessoas já foram presas na Rússia em protestos contra a Guerra. Na quinta-feira, o Comitê de Investigação da Rússia informou que a participação em qualquer protesto contra a guerra na Ucrânia era ilegal. O órgão russo também afirmou que ofensas poderiam ser inscritas nos registros criminais dos participantes.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários