Novaya Gazeta foi um dos veículos que recebeu alerta
Reprodução/O Globo
Novaya Gazeta foi um dos veículos que recebeu alerta

O Serviço Federal de Supervisão de Meios de Comunicação na Rússia (Roskomnadzor) fez um alerta neste sábado de que vai restringir o acesso de dez meios de comunicação do país caso compartilhem notícias fazendo referência à  operação militar na Ucrânia como um "ataque, invasão ou declaração de guerra".

Em uma carta, o órgão de vigilância informou que abriu uma investigação sobre o caso e se queixou do que caracteriza como a distribuição de “informações falsas” sobre o bombardeio de cidades ucranianas e a morte de civis causada pelas forças armadas russas.

"A menos que as informações imprecisas sejam removidas, o acesso a essas fontes será restrito. Enfatizamos que informações precisas e verificadas estão disponíveis em fontes oficiais de informações russas", diz o comunicado.

Os veículos que receberam a ordem foram: Eco de Moscou, InoSMI, Mediazona, New Times, TV Rain, Svobodnaya Pressa, Krym.Realii, Novaya Gazeta, Zhurnalist e Lenizdat. Muitos são identificados como "agentes estrangeiros" pelo Kremlin. O editor da Novaya Gazeta, Dmitry Muratov, ganhou o prêmio Nobel da Paz em 2021.

Leia Também

Mídia reforça discurso de Putin

Antes mesmo do presidente Vladimir Putin aprovar o lançamento de mísseis e avançar as tropas nas fronteiras com a Ucrânia, a mídia russa mostrava um enredo pró-invasão no noticiário e em peças de propaganda.

Na quinta-feira, a maioria dos meios de comunicação locais noticiaram a invasão ao país vizinho como "um ato de autodefesa" que tinha exclusivamente o objetivo de "desmilitarizar" a nação ucraniana. Narrativa que reforçava o discurso de Putin televisionado nacionalmente antes da ofensiva.

Entre no canal do  Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários