Recrutas sem experiência são convocados por rebeldes pró-Rússia
Reprodução/O Globo
Recrutas sem experiência são convocados por rebeldes pró-Rússia

Andrey, de 21 anos, nunca havia empunhado uma arma antes desta semana. Foi um choque quando recebeu um telefonema dizendo que havia sido convocado para o serviço militar .

Dois dias depois, ele sentou-se em um ônibus a caminho de uma unidade de artilharia da República Popular de Donetsk, um dos dois territórios separatistas no Leste da Ucrânia que o presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu formalmente na segunda-feira, colocando sob a proteção de Moscou.

A medida de Putin, denunciada como ilegal pela maior parte do mundo e respondida com uma onda de sanções contra Moscou, marca uma nova fase na crise, que coloca o governo pró-Ocidente da Ucrânia contra as duas regiões separatistas e diante da ameaça de uma invasão russa.

Ao se preparar para a possibilidade de uma guerra total, os separatistas têm convocado homens de 18 a 55 anos para pegar em armas, e até mesmo alguns homens mais velhos estão se juntando. Andrey, que se alistou com um amigo estudante, disse que não tinham escolha.

"Vamos apenas dizer que, depois de avaliar a situação e os possíveis riscos de ser processados, decidimos nos voluntariar. Mas não quero lutar. E eles não nos mandaram para as malditas unidades de retaguarda: nos mandaram direto para o inferno."

Em um ponto de mobilização em um pavilhão esportivo na cidade de Donetsk, recrutas de idades e experiências muito diferentes foram entrevistados. Todos se recusaram a ser identificados com seus nomes completos.

Alguns receberam cartas de alitamento ou telefonemas, enquanto outros disseram que se apresentaram por vontade própria. Há dias, os moradores de Donetsk recebem mensagens de texto dizendo aos homens que é seu "dever sagrado" defender a pátria, enquanto alto-falantes gritam mensagens semelhantes nas ruas.

"Acho que haverá uma guerra. Veremos. Estamos sempre prontos" disse Artur, de 28 anos, tenente da reserva com cinco anos de experiência no Exército.

Dmitry, um homem de cerca de 30 anos, disse que se ofereceu como voluntário.

"A minha família ainda não sabe. Eles vão descobrir hoje à noite" declarou.

Sergei, de 54 anos, tem conhecimento de explosivos, e disse que o resto de sua família partiu para a segurança na Rússia, mas que ele ficou para trás.

"Vim para defender a minha pátria" disse.

Um pai de meia idade disse que seu filho, um estudante de 20 anos, havia sido convocado no dia anterior.

Ele disse: "O que eu vou fazer, me esconder? Eu vou como todo mundo".

Leia Também

Alguns homens, no entanto, estavam com medo de ir para a batalha. Alexander Golovan, 40, disse que tentava garantir uma isenção para seu irmão diabético, que precisa de injeções de insulina cinco vezes ao dia, mas recebeu uma intimação por escrito.

Afirmando ter muito medo de dar seu nome, um marido de 38 anos e pai de três filhos disse que evitava sair de casa porque tinha ouvido falar de pessoas sendo paradas na rua pelos militares.

Segredo militar
Questionado sobre os incidentes, o porta-voz separatista Eduard Basurin disse que os recrutas passaram por exames de uma comissão médica.

"Por que você levaria uma pessoa gravemente doente? Para mandá-la direto para o abate? " questionou.

Basurin confirmou que patrulhas de rua estão parando as pessoas para verificar se foram convocadas, mas disse que não houve uso de força. Ele se recusou a dar detalhes sobre a extensão da convocação.

"Não comentamos o número de pessoas e planos mobilizados. Isso é segredo militar."

Denis Pushilin, líder da região separatista, disse a repórteres que era obrigatório que os homens aceitassem a convocação.

"Sim, isso é uma exigência da nossa lei. Esquivar-se do projeto significa um processo criminal. Não há nada de surpreendente nisso" disse.

Análise: Primeiras sanções contra a Rússia têm impacto mínimo, após Moscou proteger sua economia durante anos

As empresas foram obrigadas a disponibilizar 50% de sua mão de obra para o Exército para manter a economia funcionando, e pessoas em funções críticas, como engenheiros-chefes, não serão enviadas para lutar.

Um dos homens entrevistados foi tomado de raiva e pensamentos mórbidos enquanto contemplava seu destino, amaldiçoando Putin e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

"Vai ser engraçado se eu estiver falando com você pela última vez. Decidiram por mim que vou morrer, não viver" disse.

No dia seguinte, ele enviou a um repórter uma foto sua segurando uma arma.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários