Primeiro avião com suprimentos chega a Tonga dias após tsunami
Reprodução
Primeiro avião com suprimentos chega a Tonga dias após tsunami

O primeiro avião com suprimentos para atender a população do  Tonga desembarcou no país nesta quinta-feira, cinco dias após a erupção e o tsunami causados pelo vulcão Hunga Tonga-Hunga Haa'pai.

A aeronave da Nova Zelândia apenas conseguiu pousar no país após dias de limpeza da pista do aeroporto na capital Nuku'alofa, que foi tomada por cinzas do vulcão. Outros aviões e navios enviados pelo governo neozelandê e Austrália estão a caminho.

O comandante das Forças Armadas da Nova Zelândia, contra-almirante Jim Gilmour, disse que equipes de resgate e voluntários fizeram um "esforço gigantesco" para permitir o pouso e tiveram que usar carrinhos de mão para concluir a tarefa.

A aeronave C-130 Hercules pousou em Tonga pouco depois das 16h do horário local, carregando água, kits de abrigo temporário, geradores de eletricidade, kits de higiene e equipamentos de comunicação.

Para evitar o risco de contágio do coronavírus — Tonga registrou apenas um caso de Covid-19 desde o início da pandemia — militares das aeronaves apenas desembarcam o material no aeroporto e retornaram para seus respectivos países.

Leia Também

"Respeitamos muito os protocolos. A última coisa de que Tonga precisaria agora seria um surto de Covid, depois desse desastre" disse o contra-almirante Jim Gilmour em entrevista coletiva.

Na terça-feira, o primeiro-ministro de Tonga, Siaosi Sovaleni, informou que, até o momento, quatro mortes foram confirmadas após o "desastre sem precedentes".

Uma das vítimas é uma mulher britânica que administrava um abrigo para animais que viviam nas ruas. O premier ressaltou que o número de mortos pode aumentar, e que o governo ainda não conseguiu fazer contato com várias ilhas habitadas.


Desde sábado, a comunicação com o país é possível apenas através de alguns telefones via satélite. Imagens de satélites apontam que pelo menos duas pequenas ilhas da região, Mango e Fonoifua, foram quase que totalmente destruídas após o país ser atingido por ondas de 15 metros. Em Mango, onde vivem cerca de 50 pessoas, não restou nenhuma habitação intacta. Apenas duas casas permanecem de pé em Fonoifua.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários