Registro de bomba de coquetel molotov atirada contra edifício do Grupo Clarín
Reprodução/ Clarín
Registro de bomba de coquetel molotov atirada contra edifício do Grupo Clarín


Pelo menos nove pessoas encapuzadas jogaram bombas de coquetel molotov na entrada principal do edifício que abriga o Grupo Clarín, dono de um dos maiores jornais da Argentina, nesta segunda-feira (23). O ataque, já sob investigação do juizado federal, foi classificado como uma "intimidação pública" pelo juiz Luis Rodriguez.


Como relatado pelo próprio Clarín em seu portal, a equipe de segurança da empresa aponta que o grupo criminoso chegou ao local, na rua Piedras, às 23h05. Imagens das câmeras de segurança mostram os criminosos acendendo garrafas com combustível e um pavio de pano - eles jogaram entre sete e oito bombas, segundo o jornal.

Pelo menos nove pessoas participaram do ataque ao jornal
Clarin
Pelo menos nove pessoas participaram do ataque ao jornal



Os dispositivos atingiram o pavimento e o hall de entrada, o que causou um princípio de incêndio. Mas ninguém ficou ferido.

Leia Também


Com o caso já a cargo das autoridades competentes, o jornal apurou com fontes judiciais que os agentes identificaram uma impressão digital em uma das garrafas que não explodiu. O material está sendo analisado pela Polícia Federal Argentina (PFA).


De antemão, essas fontes adiantaram que os investigadores consideraram as imagens "muito escuras". Por conta disso, eles vão acionar a Unidade Antiterrorismo e solicitar ao governo da cidade as câmeras localizadas na área "para analisar os movimentos para trás e para frente a fim de encontrar os atacantes". Não foram divulgados suspeitos até o momento.



Em comunicado, o Grupo Clarín disse lamentar e condenar o ato "que à primeira vista aparece como uma expressão violenta de intolerância contra um meio de comunicação".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários