Púlpito sendo limpo em intervalo de discursos
Reprodução / ABC News
Púlpito sendo limpo em intervalo de discursos

No intervalo entre os  discursos dos presidentes Jair Bolsonaro (sem partido) e Joe Biden, na Assembleia Geral da ONU, funcionários fizeram a limpeza do púlpito e realizaram a troca da cabeça dos microfones utilizados pelos chefes de Estado, informou o Wall Street Journal .

"Os chefes de Estado e seus assessores devem ser vacinados para entrar na sala de reuniões. Mas os funcionários da ONU não fiscalizam o cumprimento da regra, e confiam nos convidados. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro, que testou positivo para covid-19 em 2020 e disse que não está vacinado, falou antes de Biden. A Casa Branca disse que o púlpito foi limpo e a cabeça do microfone substituída entre os discursos", escreveu o jornal.


O Wall Street Journal , no entanto, não deixa claro se o procedimento foi adotado com todos os presidentes e líderes que discursaram presencialmente no evento ou se foi um caso isolado.

O processo, porém, não foi feito entre os discursos do presidente da 76ª sessão da Assembleia-Geral, Abdulla Shahid, ministro das Relações Exteriores das Maldivas, e o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, que também foram de forma presencial.

Em 2020, a Assembleia Geral da ONU foi quase toda virtual e, neste ano, a participação também foi limitada, sendo que muitos chefes de Estado e funcionários de alto escalão enviaram vídeos para serem exibidos no evento. 

Bolsonaro, que ainda não se vacinou contra a Covid-19,  recebeu críticas de repercussão internacional por seu discurso na manhã desta terça-feira (21) . Na ocasião, o mandatário defendeu o chamado tratamento precoce, com o uso de medicamentos de ineficácia comprovada contra a Covid-19, e se colocou contra a adoção do passaporte sanitário no país.

Entidades e especialistas também contestaram as falas do presidente sobre a Amazônia e a política ambiental adotada em seu governo .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários