Governo Bolsonaro parabeniza candidato de direita eleito presidente do Equador
Reprodução
Governo Bolsonaro parabeniza candidato de direita eleito presidente do Equador

O governo brasileiro cumprimentou, nesta segunda-feira, o candidato da direita Guillermo Lasso, que venceu a eleição no Equador em uma disputa com o economista de esquerda André Arauz, aliado do ex-presidente Rafael Correa.

Ao contrário do que ocorreu com a Bolívia, por exemplo, em que preferiu esperar a confirmação oficial para se manifestar sobre a vitória do socialista Luis Arce, o Brasil se apressou em felicitar o povo equatoriano pelas eleições realizadas em segundo turno no fim de semana.

"Ao salientar o clima de harmonia e tranquilidade em que transcorreu a consulta popular, o governo brasileiro aproveita a oportunidade para saudar o papel dos observadores eleitorais independentes, em especial da Missão de Observação da OEA [Organização dos Estados Americanos], que contribuíram para assegurar a legitimidade do sufrágio", destacou uma nota divulgada pelo Itamaraty.

Guillermo Lasso
Reprodução
Guillermo Lasso

Nos próximos dais, será divulgada a confirmação oficial do próximo presidente do Equador para os próximos cinco anos. Mas Arauz já reconheceu a derrota para Lasso.

Os peruanos também foram às urnas no domingo. Tendo como pano de fundo a pandemia de Covid-19 e seus efeitos sobre a economia do país, os primeiros resultados da apuração das eleições presidenciais indicam vitória do candidato da extrema esquerda Pedro Castillo. Atrás dele estão Hernando de Soto, Rafael López Aliaga — conhecido como o "Bolsonaro peruano" e Keiko Fujimori. 

Após assumir o posto de chefe da diplomacia brasileira, na semana passada, o novo ministro das Relações Exteriores, Carlos França, tem emitido sinais de que quer uma maior aproximação com os vizinhos sul-americanos, com foco no pragmatismo.

Entre os seus primeiros compromissos, no último sábado, teve reuniões virtuais com os chanceleres de vários países da América do Sul, incluindo Argentina, Bolívia, Chile, Uruguai, Paraguai e Guiana.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários