Boris Johnson
O Antagonista
Reino Unido endurece lockdown após descoberta de mutação do coronavírus

O Reino Unido desistiu dos planos de aliviar as restrições de circulação durante o Natal diante de evidências que apontam que uma variante do novo coronavírus em circulação pode ser até 70% mais transmissível . O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson , anunciou neste sábado que Londres e o sudeste da Inglaterra passam do nível 3 de restrições contra a Covid-19 para o nível 4, o mais alto. A mudança valerá deste domingo até 30 de dezembro. Com as novas medidas, moradores devem ficar em casa, com isenções limitadas. Lojas, academias, locais de lazer e de cuidados pessoais serão fechados. As pessoas devem trabalhar de casa se puderem. Além disso, moradores de regiões em nível 4 não devem se misturar com ninguém fora de sua casa no Natal.

Com a medida, o Reino Unido ingressa na lista de países europeus  que decretaram, nos últimos dias, bloqueios mais rígidos para frear a disseminação da Covid-19 antes das festas de fim de ano. Itália, Suíça, Alemanha, França, Áustria e Suécia também apertaram as medidas de isolamento.

Uma nova variante do coronavírus que foi descoberta no sul do Reino Unido está se espalhando de forma mais acelerada, informou neste sábado o chefe da Autoridade Médica inglesa, Chris Whitty. Ele disse que o Reino Unido informou sua descoberta à Organização Mundial da Saúde (OMS) .

O ministro da Saúde, Matt Hancock, anunciou na segunda-feira que cientistas identificaram uma "nova variante" no sul da Inglaterra que poderia estar se espalhando mais rapidamente.

O Reino Unido vivenciou neste mês um aumento de casos e hospitalizações. Por causa disso, o governo britânico decidiu decretar um novo lockdown em Londres e no sudeste da Inglaterra a partir de domingo, às vésperas das reuniões de Natal, para tentar conter o aumento das infecções atribuídas à nova cepa do coronavírus.

"Parece que essa disseminação é alimentada por uma nova variante do vírus, (que é transmitida) com muito mais facilidade", disse o primeiro-ministro, Boris Johnson, em entrevista coletiva.

"Nada indica que seja mais mortal ou que cause uma forma mais grave da doença nem que reduza a eficácia das vacinas", acrescentou.

Os habitantes da capital e do sudeste da Inglaterra, já submetidos a restrições significativas, estarão sujeitos a um novo nível de alerta, o quarto e máximo. Eles terão que ficar em casa e não será permitida a abertura de atividades consideradas "não essenciais". As compras de Natal de última hora terão de ser feitas, o mais tardar, neste sábado.

Os pubs, restaurantes e museus dessas duas áreas estão fechados desde o último fim de semana.

Na sexta-feira, o governo registrou 28.507 novos casos no Reino Unido e nesta semana os casos aumentaram em 40,9% em relação à semana anterior. Mais de 1.980.000 pessoas testaram positivo no Reino Unido.

Whitty disse que membros de um grupo de especialistas disseram a ele e ao governo que temem que "a nova variedade possa se espalhar mais rápido".

Ele acrescentou que não há evidências de que a nova cepa cause mais mortes ou afete a eficácia das vacinas.

Nova variante tem mutação 'chave', dizem cientistas

A nova variante, que cientistas britânicos batizaram de " VUI – 202012/01 ", inclui uma mutação genética na proteína S que, em tese, poderia fazer a Covid-19 se disseminar mais facilmente entre as pessoas.

Mutações, ou mudanças genéticas, ocorrem naturalmente em todos os vírus, especialmente os de RNA, como é o caso do Sars-CoV-2 , à medida que eles se duplicam e circulam em populações humanas.

No caso do novo coronavírus, estas mutações estão se acumulando em um ritmo de cerca de uma ou duas por mês globalmente, de acordo com especialistas em genética do COG-UK.

"Em resultado deste processo em andamento, muitas milhares de mutações já surgiram no genoma do SARS-CoV-2 desde que o vírus emergiu em 2019", explicaram.

A maioria das mutações vistas até agora não teve efeito aparente no vírus, e é provável que só uma minoria altere o patógeno de qualquer maneira significativa – por exemplo, tornando-o mais capaz de infectar pessoas, mais inclinado a causar uma doença grave ou menos sensível a defesas imunológicas naturais ou induzidas por vacinas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários